Angellus Domini Awards

ANGELLUS DOMINI AWARDS | Quando o trailer é melhor que o filme!

A indústria de cinema sabe nos enganar direitinho. Um bom trailer tem a função de criar expectativas e nos deixar com aquela vontade maluca de ver o filme que vai estrear ano que vem! E ainda mais agora com a internet, os estúdios procuram fazer trailers cada vez mais caprichados, bem editados, com trilha sonora estrondosa e, as vezes, até mesmo com cenas que nem estão nos filmes.

E ocorre que com este capricho todo, os trailers podem ficar melhores  que os filmes em si!

X-MEN 3 – 

O trailer que mais me enganou até hoje. Foi o primeiro dos filmes dos X-men que pude ver no cinema, e quando saiu o primeiro trailer minhas expectativas sobre o filme foram jogadas nas alturas. O trailer prometia tudo. Mas o tudo prometido ficou apenas nos trailers. O filme não chega a ser uma bomba, mas ficou muito aquém do que poderia ter sido.

ESQUADRÃO SUICIDA – 

O primeiro trailer dá o tom que um filme sobre vilões deveria ter. Denso, com pouquíssimos momentos de humor, e uma música extremamente depressiva. Mostra um caminho que se trilhado daria um filme da intensidade de “Cavaleiro das trevas”. O outro é empolgante do início ao fim. Música do Queen, situações tensas mescladas com piadas que funcionam, e um clima sujão, meio dark, e, que pra mim, tem a frase que deveria definir o filme: “Somos vilões! É o que fazemos!”. Um dos melhores trailers que já vi no cinema. Mas aí que o filme não poderia ficar somente nos trailers, e quando o vimos em tela, a decepção foi enorme. Uma história mal amarrada, personagens subaproveitados, conclusões de arcos óbvios. Foi um dos filmes mais odiados do ano de 2016, e com muita razão.

STAR WARS EPISÓDIO I – A AMEAÇA FANTASMA – 

A maior saga da história do cinema, que empolgou uma geração toda de fãs finalmente retorna às salas de projeção. E o primeiro trailer traz o que os fãs estavam loucos de saudades: lutas de sabres de luz, naves no espaço, Mestre Yoda, um vilão marcante e o grande encontro entre Anakin Skywalker e Obi-Wan Kenobi. Tudo, é claro, embalado pela incrível música de John Willians. Isso levou milhões de pessoas aos cinemas, e a não ser que elas fossem muito crianças, saíram frustradas, para não dizer iradas, após a exibição! E o filme em questão foi apenas o início de uma trilogia que apenas George Lucas diz gostar. Tivemos que esperar mais alguns anos até que “O Despertar da Força” e “Rogue One” fizessem justiça à está história!

INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL – 

Um chapéu, uma música e uma sombra! Isso já bastou para ficarmos loucos para ver esta quarta aventura do arqueólogo mais famoso do cinema. Parecia tudo perfeito no trailer: Steven Spielberg, George Lucas, Harisson Ford e John Willians juntos novamente, uma grande atriz (Cate Blanchet) como vilã e o astro teen do momento (Shia LaBeouf) fazendo a ponte com os mais jovens, função que foi de River Phoenix em “A Última Cruzada” ! O que poderia dar errado? Tudo! O filme é uma grande confusão e correria em uma história desinteressante e com uma conclusão frustrante. Basta esperar para ver se o prometido quinto capítulo da história irá fazer jus à história do personagem e sua importância para o cinema.

SUPERMAN RETURNS – 

Sabe aquele trailer bem curto, quase um teaser, que te deixa desesperado para ver um filme? Foi este o caso desta bela bomba! O primeiro trailer é um primor: narração de Marlon Brando e uma música que busca em nossa memória os excelentes primeiros filmes do Azulão. O clima de nostalgia ainda ganha mais força com o visual meio antigo das imagens, mostrando uma parte da infância de Clark e as descobertas sobre seus poderes e sua história. Ainda dá uma aura divina ao mostrá-lo vindo dos céus, quando a narração afirma: “Eu envio você meu filho!”. Lindo de se ver! Mas e o filme? Melhor esquecer que foi feito.

HANCOCK –  

Este filme poderia ter adiantado em vários anos o sucesso, de público e crítica, de Deadpool. A premissa mostrada no primeiro trailer é revolucionária para o cinema: um ser superforte (com poderes similares ao do Escoteiro Azul) mas sem a honra e decência. O trailer já mostra Will Smith, no auge da fama, dormindo bêbado em um banco de praça, assediando mulheres, sendo insultado por crianças e jogando baleias de volta no mar pelo rabo. Mas ai vem o filme para estragar tudo, quando coloca um amor impossível (e jogado totalmente de graça na história) entre Hancock e a personagem vivida por Charlize Theron, e que de uma hora para outra, e sem explicação nenhuma, é transformada em uma vilã destruidora. Este é um filme que merecia uma refilmagem nesta era pós-Deadpool!

X-MEN ORIGINS: WOLVERINE – 

(Duas estrelas pela cena de abertura e pela sequência das Guerras. por mim o filme pararia ali!)

Qual fã de Wolverine não foi à loucura com este trailer? Ele traz tudo que se espera de uma historia sobre a origem do Arma-X: cenas baseadas na excelente graphic novel “Wolverine: Origens”, onde somos apresentados ao jovem James Howlet; Willian Striker e todo o projeto do Arma X; e o embate com seu nêmesis, Dente de Sabres. Perfeito! Pena que não pudemos ficar apenas no trailer. Tivemos que ir no cinema e ver aquela tragédia, em que a honra do Carcaju foi mergulhada na lama e somente retirada agora com o excelente “Logan”.

BATMAN VS SUPERMAN – A ORIGEM DA JUSTIÇA – 

O embate dos dois mais famosos heróis do mundo dos quadrinhos, aguardado por todos os fãs desde que Christopher Reeve voou e que Michael Keaton vestiu o manto do cavaleiro solitário. Como ambos heróis no cinema seguiriam caminhos separados, este encontro estava cada vez mais distante. Até que a DC (e Warner) vendo o sucesso estrondoso da Marvel, resolve finalmente unir seu universo cinematográfico. E o que vimos no trailer deixou os fãs desesperados para irem para a fila dos cinemas. Ele tinha tudo que queríamos em um filme adulto, denso e o mais realista que um filme de heróis pode ser. Sem contar que ainda fomos apresentado à beleza estonteante da Mulher Maravilha, já dando sinais de que o filme da “Liga da Justiça” estava a caminho. Já a realização do filme foi sofrível, fraco, sem uma ligação interessante entre as histórias, as cenas de ação pareciam ter sido filmadas aleatoriamente e juntadas por um editor com sono. E o embate entre os dois heróis era aquilo mostrado nos trailers, e só!

 

Sobre o autor

João Paulo Rocha

Professor de História e Grande apaixonado pela sétima arte e da maior premiação do cinema, o Óscar. Viciado em séries e Redador das colunas "Vale a Maratona" e "Papo de Cinema".

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta ...

%d blogueiros gostam disto: