Connect with us

Críticas

LOVE | Crítica da 2ª temporada da série

Publicado

em

love

Hoje vamos falar sobre a série Love, que teve sua segunda temporada lançada há alguns dias pela Netflix e inclusive já está com a terceira temporada confirmada. Tentarei evitar ao máximo spoilers, mas é inevitável que um ou outro apareça.

A 2ª temporada de Love, que é criada por Judd Appatow (Ligeiramente Grávidos / O Virgem de 40 anos), Paul Rust (Eu te amo, Beth Cooper / Bastardos Inglórios) e Lesley Arfin (Girls / Brooklyn 9-9), mostra mais a fundo a relação entre Mickey (Gillian Jacobs) e Gus (Paul Rust), e também traz um olhar mais próximo aos demais personagens da série.

A trama retorna do exato ponto onde terminamos na primeira temporada, no estacionamento onde Mickey vai anunciar a Gus que é viciada em “Amor e Sexo” e quer ficar um ano sem relacionamentos, mas que quer continuar amiga de Gus e, quem sabe, tentar algo com ele após esse período.

Essa nova temporada explora mais, e de forma eficaz, alguns dos personagens secundários apresentados na primeira temporada. Em destaque temos a colega de quarto de Mickey, Bertie (Claudia O’Doherty), que começa a namorar um dos amigos de Gus, Randy (Mike Mitchell), dividindo as atenções dos expectadores entre esses dois casais.

Love

Outro personagem secundário que ganha mais destaque nessa nova temporada é Chris (Chris Witaske). Também vemos a mudança de rumo da trama, com alguns secundários deixando de aparecer tanto, como os produtores da série Witchita, onde Gus trabalha, e também o Dr. Greg (Brett Gelman), que perde um pouco de tempo de tela.

Mas no geral, essas mudanças tornaram a série mais fluida, uma vez que tivemos espaço para um maior desenvolvimento de personagens com potencial. Vemos como o relacionamento de Bertie e Randy faz um contraponto com Mickey e Gus. Enquanto o primeiro já avança rapidamente e logo engata um namoro, os dois protagonistas do seriado fazem um caminho contrário, tomando cada decisão de forma lenta e gradual.

A série traz a cada episódio, roteiro e diálogos muito bem elaborados, sendo notável a grande química nas cenas entre os protagonistas, Gus e Mickey.

Love

Seus relacionamentos pessoais e profissionais são desenvolvidos de forma eficaz e sem dar muitas voltas. Vemos Mickey progredir em seu trabalho, enquanto Gus continua tutelando a jovem atriz Arya (Iris Apatow), e novamente deixa escapar, de forma bastante inocente, outra boa oportunidade de se tornar roteirista.

Love nos mostra uma comédia romântica em sua 1ª temporada, que acaba por se tornar um drama romântico com alguns momentos cômicos nessa 2ª temporada.

Enquanto na 1ª temporada temos um olhar mais acentuado para Mickey e seus aparentes defeitos, mostrando o personagem Gus como o típico nerd, que se apaixona pela moça bonita e com problemas, e que é aquele carinha romântico que está lá para apoiá-la, nessa temporada Gus é mais desenvolvido, mostrando-se controlador e inseguro.

O que mais gosto em Love, é que nos mostra um relacionamento mais real, onde vemos de fato que as pessoas não são perfeitas e que seus relacionamentos também não são, onde as pessoas tomam decisões certas e também erradas, na maioria das vezes (não é mesmo Mickey!!!).

Como na 1ª temporada, essa também termina engatilhada para a próxima, que como falei no início do texto, já foi confirmada pela Netflix, e confesso que estou ansioso para descobrir o que acontecerá com Gus, Mickey, Bertie, Randy, Chris e companhia.

Nota: 3,5/5


 

Sou um dos administradores e redator do Nerdtrip. Entusiasta dos games e livros. Meu foco é dividido em diversas áreas, indo desde cinema e séries, até animes e tokusatsus. Assisto filmes e séries repetidamente e sempre me divirto como se estivesse vendo pela primeira vez. Grande fã de Harry Potter e também da Marvel e DC, sem esquecer é claro de Dragon Ball e Cavaleiros do Zodíaco.

Críticas

EVERYTHING SUCKS! | Netflix apostando nos anos 90

Publicado

em

Everything Sucks! A nova série da Netflix é ambientada nos anos 90 e conta a história de Luke (Jahi Di’Allo Winston) e Kate (Peyton Kennedy).
Ele que apaixonado por Kate, embarca no desafio de juntar o seu grupo escolar de vídeo com o grupo de teatro também da escola, para criarem juntos um filme “romântico com alienígenas”.
Ela, filha do diretor da escola, enfrenta o desafio de lidar com a paixão do Luke por ela enquanto se descobre como homossexual.

Os pilares da série são eles dois, outros núcleos são oferecidos ao longo dos 10 episódios da primeira temporada mas nada nos fisga tanto como os dramas vividos por essa dupla, que inicialmente até tentam ser um par.

Apesar de ambientada nos anos 90, a série não fica pesando na nostalgia, nos faz recordar de alguns recursos da época mas apenas pela necessidade da trama, a ambientação não é tão bem feita, as cores são mal exploradas e algumas caracterizações são exageradas e caricatas.
A trilha sonora é agradável e encaixa bem a seleção escolhida, mas deixa a sensação que podia ter sido melhor explorada.

Os primeiros episódios não encantam, nada engata muito bem no início, é tudo muito forçado e cansativo, mas quando separa e fica mais focado nos dramas pessoais de Luke e de Kate, e não mais neles como casal, a série flui e fica fácil de assistir.

À partir da sua metade ficam os melhores episódios, quando se deixa de lado a idéia de se explorar os confrontos pessoais na escola e passa-se a trabalhar com a interação de diferentes tipos de personalidades, à partir de então a série flui, torna-se agradável e fica até promissora.

Outro ponto positivo é que algumas séries que trabalham mais com o público adolescente as vezes desprezam o núcleo adulto, mas em Everything Sucks há um bom trabalho com relação aos pais dos dois protagonistas.

A Netflix e os criadores da série, Ben York Jones e Michael Mohan, não entregam algo brilhante, nem inovador, mas promissor se mantido o ritmo de sua segunda metade dessa primeira temporada.
A dica que deixo é não maratonar os primeiros episódios e ter um pouquinho de paciência com o seu início.

Nota para a série: 3 / 5 

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK:  facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM:  instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE:  www.nerdtrip.com.br

Leia outras notícias do  Nerdtrip  e confira também:

DRAGON BALL FIGHTERZ | Revelados os 2 primeiros personagens das DLCs

HOMEM-FORMIGA E A VESPA | Kevin Feige comenta sobre a participação de Michelle Pfeiffer no filme

VALE A MARATONA? | The Good Place

 

Continue lendo

Críticas

STAR TREK: DISCOVERY | O retorno da amotinada e um ótimo fan-service no final da temporada – Episódio 15: Will you take my hand? – Crítica do Viajante

Publicado

em

E chegamos ao 15º e último episódio da primeira temporada da polêmica Star Trek: Discovery intitulado Will you take my hand?. Logo no início percebemos que a decisão desesperada do comando da Frota Estelar de colocar no comando da U.S.S. Discovery a ex-imperatriz do Universo-Espelho Philippa Georgiou (Michelle Yeoh), não foi uma boa ideia.

Qo’noS: o lar dos klingons

Totalmente fora de sintonia com os ideais da Federação de Planetas Unidos, trata sua tripulação como seres inferiores e não hesita em humilhá-los. A missão da Discovery é em Qo’noS, lar dos Klingons, e a tripulação acredita que o plano é mapear o planeta para planejar um futuro ataque e tentar por um fim à guerra sangrenta que já ameaça a Terra. Porém, o plano real e que apenas Georgiou conhece (com a conivência da Federação) dentro da nave, é plantar uma hidrobomba que reagirá com o sistema vulcânico de Qo’noS extinguindo toda a vida naquele mundo. Um genocídio.

O grupo avançado conta, além da própria Georgiou, com a especialista Michael Burnham (Sonequa Martin-Green) com o klingon/humano (duas mentes em um só corpo) Ash Tyler (Shazad Latif) devido ao seu conhecimento do planeta e com a cadete Sylvia Tilly (Mary Wiseman) porque a ex-imperatriz gosta de tentar provocar o lado negro da inocente moça que no Universo-Espelho é a cruel capitã da U.S.S. Shenzhou. Eles precisam encontrar uma entrada para a rede de cavernas do planeta onde todos pensam que será liberado um drone de mapeamento (na verdade a hidrobomba).

Nessa parte que começam as referências à série clássica. A tal entrada está dentro de uma região dominada pelos Órions. O episódio não explica porque diabos os klingons permitiriam um entreposto de alienígenas em seu planeta natal, mas tudo pelo fan-service. Os órions apareceram originalmente na série clássica como um sedutor povo de pele verde que vive literalmente para gozar a vida. A cidadela onde vivem em Qo’noS é uma verdadeira “boca-do-lixo” dentro do lar klingon. Prostituição, jogo e drogas são tudo o que se vê por todos os lados. E é chapando o côco que acidentalmente a cadete Tilly descobre os verdadeiros planos de Georgiou enquanto essa se entrega a um “ménage à trois” com um casal de órions.

É a partir daí, mas dessa vez com o apoio total da tripulação da Discovery, que Michael Burnham volta a se amotinar contra a Federação, em favor da premissa de que os fins não justificam os meios. Através de sua almirante Kat Cornwell (Jayne Brook) a Federação volta atrás nos planos de dizimar os klingons, buscando outra solução com a ajuda de L’Rell (Mary Chieffo), a klingon que vinha sendo mantido como prisioneira à bordo da Discovery. A seguir um final emocionante com direito solenidade de premiação dos oficiais da Discovery no tipo de cerimônia que todo trekker gosta de ver. Medalhas, promoções, discursos. Não faltou nada. E o “espírito” da Federação não sofreu danos como todos temiam desde o início da série.

Resolvido o problema da guerra com os klingons, o episódio deixa vários ganchos do que pode acontecer na segunda temporada. Georgiou recebe perdão total e se manda. Como ela vai voltar e com que intenções (provavelmente nada boas) fica em mistério. O mesmo vale para o destino do capitão Gabriel Lorca (Jason Isaacs), já que aquele que estava no comando da Discovery mostrou-se ser do Universo-Espelho e nada foi dito sobre o original desse Universo que provavelmente deve estar vivo e deve dar as caras na série ainda. O destino do império Klingon nas mãos de L’Rell ao lado de Ash Tyler também pode muito bem ser de extrema importância nas próximas temporadas. 

Mas o que deixou todos os trekkers arrepiados da cabeça aos pés foi o final sensacional (ATENÇÃO PARA O SPOILER SUPREMO), quando a Discovery comandada por seu capitão interino Saru (Doug Jones), com a agora oficial de ciências Michael Burnham perdoada de sua pena e com Sarek (James Frain) a bordo e a caminho de Vulcano, recebem um pedido de socorro de nada mais, nada menos que o capitão Christopher Pike a bordo da Enterprise NCC-1701 que aparece na última cena tal e qual em TOS com direito à musiquinha de encerramento de 1966.

Nenhum membro da tripulação apareceu. Fica a dúvida: foi só um fan-service? Ou a história retomará desse encontro na segunda temporada? Lembrando apenas que Sarek é pai de Spock que se encontra na Enterprise durante a gestão de Pike que é imediatamente anterior a Kirk. Caso o encontro ocorra em Discovery fica para a produção a dificil tarefa de encontrar um ator à altura do papel, já que o Spock de Zachary Quinto pertence ao Universo Kelvin e usá-lo mesmo que por apenas um ou dois episódios poderia causar muita confusão e mais rage dos trekkers mais tradicionalistas. Ou será que não? Afinal Leonard Nimoy foi utilizado sem problemas para fazer o Spock idoso na nova trilogia dos cinemas. Pessoalmente eu gostaria de ver Quinto em Discovery fazendo uma participação especial. Minha classificação para essa primeira temporada de Discovery:

Links para as críticas dos episódios anteriores:

Episódio duplo de estréia

Episódio 03

Episódio 04

Episódio 05

Episódio 06

Episódio 07

Episódio 08

Episódio 09

Episódio 10

Episódio 11

Episódio 12

Episódio 13

Episódio 14

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK:  facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM:  instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE:  www.nerdtrip.com.br

Confira também:

MAX PAYNE 3 | Mais que uma homenagem, um novo começo

TITÃS | Patrulha do Destino vai participar do show

SUPER MARIO BROS | Nintendo pode estar trabalhando em animação da franquia para os cinemas

Continue lendo

Críticas

CINQUENTA TONS DE LIBERDADE | Jamie Dornan e Dakota Johnson encerram o último capítulo da trilogia com chave de ouro!

Publicado

em

Há muito o que falar sobre o encerramento de uma das trilogias mais famosas da atualidade. Cinquenta Tons de Cinza  é a típica narrativa que agrada fortemente o público feminino com uma história carismática entre duas pessoas de estilos de vida completamente diferentes. 

Desde o lançamento da primeira adaptação cinematográfica do primeiro livro de mesmo nome, uma legião de mulheres acabaram encantadas pela história que apresenta um novo ”romantismo” um tanto diferente mostrado nas telonas, e a trilogia acabou ganhando um destaque absurdo na mídia. O primeiro filme apesar de ser o queridinho por ser o piloto da história que estaria por vir em mais dois títulos, não foi tão bem adaptado assim, dando aquela leve impressão de correria com os fatos. Embora a história tenha sido abordada dessa forma, os atores desempenharam seus papéis de forma excelente, criando um verdadeiro vínculo de personagens admirável nos próximos filmes.

No segundo título nós tivemos um capricho maior na adaptação, novos personagens e um enredo bastante convincente. Os fãs tiveram as tão esperadas cenas que gostariam de ver e a tensão esperada com a introdução das personagens mais odiadas da história. Contando com um encerramento maravilhoso, o filme conseguiu suprir toda a ansiedade que os fãs estavam para o capítulo final da trilogia: Cinquenta Tons de Liberdade. 

Uma série de novidades numa vida de casal assumido entre Christian e Anastasia, um novo lado da moeda nos foi apresentado dessa vez. Agora Ana é oficialmente Sra. Grey e leva uma vida importante vivendo da melhor forma que alguém poderia querer. A jovem tem o trabalho dos sonhos, casou-se com quem gostaria, e ainda mantém-se tão bela quanto a primeira vez que Christian a viu. Mas como nem tudo são flores, agora o casal terá de enfrentar uma nova fase em suas vidas, conviverem com os fantasmas do passado e defeitos de si mesmos. 

Um dos grandes pontos positivos nas adaptações é a sintonia incrível que existe entre os atores, e a forma como eles fazem as cenas parecerem o máximo real possível, reforçando a ideia de que não há como substitui-los em termos de atuação na pele de Anastasia e Christian.

No último capítulo da adaptação da obra literária de E.L James há uma mesclagem de emoções fortes, tensão, e principalmente um olhar diferente para a história. Embora tenha faltado algumas cenas essenciais, sem dúvidas é a melhor sequência da trilogia. Um encerramento sem exageros, contando com uma boa dosagem de cenas eróticas e mostrando que mesmo os personagens sendo vistos como ”perfeitos” eles são humanos e possuem falhas assim como qualquer outra pessoa. E principalmente que o ”Felizes para sempre” é composto apenas do querer mútuo entre um casal em superar todas as dificuldades juntos. Christian passa por uma verdadeira mudança drástica ao longo dos filmes, e nesse em especial os fãs puderam ver um novo lado do tão cobiçado Grey.  

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK:  facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM:  instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE:  www.nerdtrip.com.br

Leia outras notícias do  Nerdtrip  e confira também:

STAR WARS: RISE TO POWER | Jogo para plataforma mobile pode estar próximo de seu lançamento

ONE PIECE | Confira a entrada épica do aguardado vilão Charlotte Katakuri!

GAME OF THRONES | Pode haver um 8º Livro? George R.R. Martin esclarece

 

Continue lendo

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: