Connect with us

Críticas

THE WALKING DEAD | Crítica da sétima temporada

Nerdtrip Redação

Publicado

em

Conforme o tempo passa, a narrativa fica mais lenta, a história arrastada e os personagens não podem mais serem explorados de maneira eficiente. Isso realmente acontece em séries de longa duração?

A sétima temporada da série The walking dead acabou e levou consigo a pior audiência em seu season finale desde 2012.

Nunca se viu uma temporada tão fiel aos quadrinhos, sem levar em conta os “militares” dos salvadores, que possuem muitas atitudes cartunescas, ao atribuir até mesmo à exploração do novo “inimigo”, o Negan.

Muito bem interpretado por Jeffrey Dean Morgan, que sai de seu papel como coadjuvante e torna-se o principal em todo o enredo apresentado. Sua personalidade forte e vingativa provida de uma possível “justiça” trouxe uma figura politizada a uma série de zumbis.

Toda a estrutura do santuário é apresentada nos mínimos detalhes, às regras expostas, dando espaço para desenvolver sem pressa alguma, o que claramente não agrada ao público ansioso por uma “luta”, porém se encaixa no rumo sociológico que a série tomou.

Negan reina muito mais que Ezekiel e ruge mais forte que a tigresa Sheeva, porém não vive em uma monarquia. Se fosse parar e pensar em uma forma de governo aplicada aos salvadores, com toda a certeza a ditadura seria a qual nomeariam.

Militares no poder acabam por exercer a força como correção social, exploram os inimigos e grande poderio bélico, além de uma pitada de narcisismo e endeusamento, já que o vilão, com sua arma nomeada Lucille, é onipresentes como um Deus, todos seus súditos são Negan.

O terror psicológico mais uma vez se fez presente em TWD. Muito mais nessa segunda fase, em que as relações dos personagens contra os salvadores começam a ficar moldadas, enquanto o lado de lá apresenta o que a história mundial sempre contou: Em um regime unilateral sempre haverá uma oposição.

E quem disse que não teria tiro, porrada e bomba? Afinal, todo o desenrolar da história foi para chegar ao clímax, e esse, como sempre, veio no episódio final.

Após muitas mortes em nome de todas as características apresentadas anteriormente, as nações exploradas se unem em busca da liberdade. Sim, ainda é sobre uma série de zumbi. Apresentando um pequeno movimento de oposição, contendo ajuda de um traidor no governo inimigo e sofrendo uma traição dentro da própria resistência.

Uma reviravolta acontece, uma esperança nasce, assim como em pequenos movimentos sociais e opositores, haja vista a atualidade está se mostrando em um universo paralelo. E esse é o ponto da série.

E os zumbis? Eles exploram o emocional, as dificuldades, a punição para quem não consegue sobreviver. O fardo de ver seus entes virarem criaturas sem alma ou consciência, de devorarem quaisquer seres humanos.

A baixa audiência se deu por falhas de roteiro, uma narrativa na maioria das vezes preguiçosa com pouca exploração de novas camadas de personagens que poderiam fornecer dinamicidade ao caminhar da história.

Porém apresentou momentos épicos, e um season finale bem produzido e emocionante. A posição condizente e nem um pouco romantizada para o lado da amizade, no caso de Eugene, que, obviamente, por seu histórico, escolheria sobreviver e não os “seus”. O drama que sempre se fez presente, tanto na infantilidade e egoísmo de Rosita, que por várias vezes quase pôs tudo a perder. E a força de Sasha que veio crescendo no enredo e buscando e conquistando seu espaço dentro da série.

Em resumo, os novos aspectos da segunda parte da sétima temporada foram esses personagens, continuando bater na mesma tecla de Morgan e Carol e esquecendo outras personalidades que possuem um potencial de desenvolvimento.

Quem sabe na oitava temporada? Ela que já foi confirmada e possui vários ganchos para se desenrolar de uma maneira mais atrativa do que a anterior.

 

NOTA:

A NerdTrip teve seu início no ano de 2016 com a missão de levar entretenimento, notícias, resenhas e tudo sobre o universo pop/nerd/geek. “Uma ideia na cabeça, talento e vontade em nossas mãos!”

Críticas

TITANS | Primeiras impressões da nova série do DC Universe

Igor Ops

Publicado

em

Foto: divulgação

E finalmente estreou para nós, meros fãs e entusiastas do universo DC Comics a aguardada série em live-action dos Titãs. Composta inicialmente por Robin, Ravena, Estelar e Mutano, o episódio piloto da produção feita pelo DC Universe (inédito serviço de streaming da DC Comics) nos apresentou de forma bastante interessante esses quatro pilares iniciais do jovem supergrupo.

Seguindo sua essência urbana e violenta, a onipresença do Batman é percebida em cada detalhe, mesmo não aparecendo fisicamente, é clara para todos que a influência do Morcegão é bem evidente e o “Fu%# Batman” é nos apresentado justamente para brincar com isso, a DC explora sem vergonha nenhuma o seu herói mais popular, mas ela não precisa necessariamente dele para construir e apresentar personagens importantes em um universo totalmente rico.

Com a produção e roteiro de um trio poderoso, está première dos Titãs nos revela de forma sensata onde cada um trabalha, Geoff Johns cuida do lado heroico, Greg Berlanti nos apresenta o lado sombrio e fechando o trio de ferro temos o experiente Akiva Goldsman que amarra e nos conta uma história de forma bastante interessante e enigmática sobre os nossos queridos heróis. Titãs pode apresentar um certo exagero para alguns na violência imposta por um Dick Grayson sem pudores, mas pela condução da história conseguiremos compreender o porquê de tudo isso.

Já em relação com outro ponto positivo está a ambientação bem noir das noites de Detroit, realmente uma Gotham do mundo real e assistir o Robin em ação pela primeira na cidade e no episódio é bem interessante, outro ponto de destaque é os efeitos práticos em relação as coreografias de luta que estão exuberantes.

No final deste primeiro episódio, vimos que ele serviu somente para apresentar os heróis que formarão o grupo, com destaque especial para Robin e Ravena, essa segunda já manifestou os seus poderes sombrios de forma bastante convincente. O que podemos refletir é que a série é diferente, bem trabalhada na sua história e que irá agradar muitos fãs que puderem dar uma chance para a produção que é a DC na sua essência.

Nota para o primeiro episódio (episódio piloto):

4 / 5


SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

TRIP LISTA | Os melhores filmes de super-heróis de todos os tempos pela equipe Nerdtrip

BLACK CLOVER | Confira o título e prévia do episódio 54 do anime

GOOSEBUMPS 2 | A divertida (e esquecível) continuação do sucesso da Sony de 2016

TOKYO GHOUL: RE | Confira detalhes sobre o jogo mobile baseado na animação!

JOJO’S BIZARRE ADVENTURE | Confira o tema de abertura e encerramento do anime

BORUTO: NARUTO NEXT GENERATIONS | Confira os títulos e sinopses dos episódios 77, 78, 79 e 80

Continue lendo

Críticas

GOOSEBUMPS 2 | A divertida (e esquecível) continuação do sucesso da Sony de 2016

João Nélio

Publicado

em

 

Foto: Reprodução

Qualquer garoto ou garota é capaz de dizer que a britânica J. K. Rowling é a mente por trás do universo Harry Potter; todavia, um público bem menor saberia dizer quem é R. L. Stine, também conhecido como o Stephen King da literatura infantil, que, muito antes das aventuras do bruxo de óculos e cicatriz na testa, também vendeu – como Rowling – cerca de 400 milhões de livros.

Se aqui no Brasil Stine é pouco conhecido, nos EUA é uma verdadeira celebridade, sendo autor prolífero de centenas de livros de suspense e terror “leve”, voltados para um público infanto-juvenil, que fez sua fama na década de 1990, incluindo uma série para a tv paga que durou de 1995 a 1998, conhecida no Brasil como A Máscara Maldita.

Foto: Reprodução

Em 2015, estreia nos cinemas o filme Goosebumps – nome da série de mais de 60 livros que Stine escreveu de 1992 a 1997 – mas que, ao contrário de adaptar uma das diversas histórias do estadunidense de 75 anos, resolveu transformar ele mesmo em um personagem às voltas com muitas das suas monstruosas e divertidas criações, na pele, voz e trejeitos de Jack Black.

O filme fez um sólido sucesso, custando pouco mais de 55 milhões (uma pechincha para blockbusters norte-americanos), mas faturando o dobro disso com facilidade.

Lógico que uma continuação iria acontecer, aliás, sugerida já na cena final do longa de 2015.

Obedecendo a lógica da obra de Stine, que a cada livro contava com protagonistas diferentes, a produção de 2018 despreza os personagens e locação do filme anterior para localizar a trama atual na fictícia cidade de Wardenclyffe, Nova York, onde os pré-adolescentes Sonny (Jeremy Ray Taylor) e Sam Carter (Caleel Harris) encontram a antiga casa de R. L. Stine e o manuscrito de seu primeiro livro, do qual libertam o boneco de ventríloquo maligno, Slappy the Dummy (voz de Mick Wingert), iniciando toda a confusão.

Foto: Reprodução

O filme segue a cartilha cinematográfica clássica, com um primeiro ato apresentando e desenvolvendo seus personagens, ainda que, alguns, de forma bastante caricata, como o caso da Kathy Quin (Wendi McLendon-Covey), a mãe de Sonny e da adolescente Sarah Quinn (Madison Iseman, linda e competente no papel de heroína), do personagem bastante pastelão interpretado por Chris Parnell, do namorado pouco confiável de Sarah, Tyler (Bryce Cass) e da turma de alunos cruéis que praticam bullying contra Sonny e Sam.

Foto: Reprodução

O segundo ato, como era de se esperar, mostra Slappy, que já havia sido apresentado no primeiro filme, revelando-se em toda a sua vilania e servindo para a produção criar – num CGI bem econômico – uma série de monstruosidades mais divertidas do que assustadoras, algumas repetidas, como o Pé-Grande (grande atrativo do primeiro filme) e o Lobisomem (que desta vez perde completamente sua periculosidade) e outras engraçadas, como a aranha gigante feita de balões de gás.

O terceiro ato mostra o clímax do filme – ambientado, não por acaso, no Halloween –, com toda a bagunça criada por bruxas com cabeças neons, abóboras de dia das bruxas que cospem fogo, cavaleiro sem cabeça, múmias, hordas de morcegos de cartolina etc., além de uma inverossímil estação elétrica de onde Slappy comanda “sua família”.

Foto: Reprodução

Se no filme de 2015 os monstros realmente pareciam ameaçadores, nesta produção eles provocam mais risos do que sustos (menos, talvez, os ursinhos de gelatina assassinos!). Também não dá para entender o porque de ninguém botar fogo naquele insuportável e mimado boneco de ventríloquo!!

No geral, se o filme não empolga tanto assim, ele também consegue prender a atenção pela sua hora e meia de duração, provocando involuntários risos de canto de boca, mas quase nenhuma gargalhada, mesmo da garotada que enchia metade da sala de exibição.

Personagens desperdiçados, como Mr. Chu (vivido por Ken Jeong, o eterno Leslie Chow de A Ressaca) e (SPOILER) uma participação quase desnecessária de um Jack Black em piloto automático (mas mesmo assim engraçado) fazem dessa segunda parte de Goosebumps um filme realmente voltado para as crianças, ao qual os pais conseguem acompanhar sem muito sacrifício, mas rapidamente esquecido no caminho de volta para casa.

Foto: Reprodução

Ao final, como era de se esperar, cria-se o gancho para uma nova continuação.


Pontuação de 0 a 5

Nota: 2,5 (“bonzinho”)

 


SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

TOKYO GHOUL: RE | Confira detalhes sobre o jogo mobile baseado na animação!

JOJO’S BIZARRE ADVENTURE | Confira a abertura e encerramento do quinto arco do anime

BORUTO: NARUTO NEXT GENERATIONS | Confira os títulos e sinopses dos episódios 77, 78, 79 e 80

C – POP | Asian Music Festival : My Power

NASCE UMA ESTRELA | Crítica do Don Giovanni

VENOM | Crítica do Don Giovanni

Continue lendo

Críticas

NASCE UMA ESTRELA | Crítica do Don Giovanni

Giovanni Giugni Oliveira

Publicado

em

 

As expectativas geradas em torno da produção “Nasce uma Estrela” eram gigantescas. Além de ser a estreia de Bradley Cooper como diretor e ter a “diva” Lady Gaga como protagonista, o longa é o 3ª remake do clássico filme de 1937, estrelado por Janet Gaynor e Fredric March, que foi refilmado mais tarde em 1954, com ninguém menos que Judy Garland, fazendo par romântico com James Masone. Posteriormente em 1976,  foi produzido uma nova versão com a incrível Barbra Streisand, ao lado de Kris Kristofferson. A responsabilidade se tonou ainda maior quando Lady Gaga exigiu que todos os números musicais fossem gravados ao vivo, para dar uma maior veracidade a sua atuação como Ally. E ela brilhantemente estava certa.

Escrito e dirigido pelo competente Bradley Cooper (que ainda atua na pele de Jackson Maine, um cantor e compositor consagrado que se tornou alcoólatra devido ao convívio com o pai) Nasce uma Estrela é o filme que consolida a carreira de Lady Gaga como atriz.

Na trama a jovem Ally acaba sendo descoberta pelo famoso cantor Jackson Maine, resultando em uma paixão avassaladora, porém, enquanto Ally ascende ao estrelato, Jackson por ciúme e pelo iminente fim de sua carreira, acaba se afundando cada vez mais nas drogas, principalmente no álcool.

 

 

Bradley Cooper se mostrou um grande diretor, além de conseguir captar toda a verdade e emoção da atuação de Gaga, o diretor conseguiu extrapolar nas cenas dos números musicais, fazendo com que o espectador se sinta no palco ao lado de Ally e Jackson. Cooper ainda entrega uma de suas melhores atuações, sua visão do ídolo desconstruído é perfeita e convincente.

Mas a alma do filme é Lady Gaga, segura de seu talento a cantora/atriz é dinamite pura, carismática, forte, mas ingênua e deliciosamente doce. De forma gradativa e sem atropelos Ally vai ganhando confiança ao longo da produção, até o ápice do longa quando Gaga usa toda sua potencia vocal para marcar de forma inesquecível o exato momento em que a estrela nasce. Difícil conter as lágrimas mediante a carga emocional empregada pela atriz, que consegue passar para o espectador todas as nuances de sentimentos determinantes para cena funcionar.

Um filme forte, verdadeiro e extremamente emocional, graças as performances de Gaga e Cooper que nitidamente se entregaram de corpo e alma ao projeto. Forte concorrente ao Oscar, com direito a indicações de melhor filme, melhor ator para Bradley Cooper e indiscutivelmente de melhor atriz para a estrela da música e agora do cinema Lady Gaga.

 

Pontuação de 0 a 5

 

Nota: 4,5

 

 

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

TWITCH | Anunciada as atrações da TwitchCon 2018!

BORUTO: NARUTO NEXT GENERATIONS | Conheça os novos temas de abertura e encerramento do anime

DEMOLIDOR | Comercial da 3ª Temporada de Demolidor introduz o Mercenário

MATERATE | Dúvida no que assistir? App facilita a busca no Netflix e nos principais serviços de streaming!

DUAS RAINHAS | Filme com Saoirse Ronan e Margot Robbie ganha novo trailer e data de estreia!

DELIVERACE | Game indie brasileiro será lançado na BGS!

MÁQUINAS MORTAIS | Trailer inédito destaca a história de vida da protagonista Hester Shaw

Continue lendo
Advertisement

Receba as novidades do Nerdtrip em seu e-mail!

Insira seu endereço de e-mail para embarcar nessa Viagem Nerd!

Advertisement

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: