Connect with us

Demorei, mas eu vi!

DEMOREI, MAS EU VI! | Outlander

Published

on

Devo antes de mais nada, confessar que tenho um fraco apelo pela temática “viagem no tempo“.

Deve ser influência do filme que marcou a minha infância: De Volta para o Futuro. Então tenho uma tendência a sempre dar uma chance para obras que utilizem esse ingrediente em seus roteiros.

E assim, zapeando na Netflix sem assistir nada (quem nunca fez isso…), descobri Outlander. Mas de início achei ser apenas um história romântica com uns camaradas de saia, já que o palco da história é a Escócia. Mas fui surpreendido, o roteiro da série é bem resolvido, e temos uma boa história que se desenrola muito bem, dando tempo para que personagens se desenvolvam e criem empatia com o expectador.

Criada por Ronald D. Moore e baseada nos livros de Diana Gabaldon, estreou em 9 de agosto de 2014 no canal Starz, que havia encomendado uma primeira temporada de 16 episódios.

Mas logo após a exibição do primeiro episódio, o canal já renovou a série para uma segunda temporada, e no momento se encontra na terceira.

Mas vamos à história da série:

Outlander é de origem britânica e conta a história de Claire Randall (Caitriona Balfe), uma enfermeira que numa viagem com seu marido à Escócia, é misteriosamente transportada dos anos 40 à 1743, período em que se está travando uma batalha contra a poderosa Inglaterra.

Inevitavelmente Claire acaba se envolvendo na guerra, e daí em diante vemos uma corrida de sua parte a fim de evitar o massacre que os escoceses iriam viver.

Alguns que olham pelo lado de fora, pode achar que a série é água com açúcar, devido as suas belíssimas paisagens e cara de romance, mas engana-se, há momentos extremamente brutais, e muitos expectadores chegam a abandonar a série por ficarem fortemente impactados com algumas cenas e desfechos e a tortura psicológica que os protagonistas vivem.

Em certos momentos é inevitável ficar enojado e sentir o estômago revirado com cenas de violência e até de estupro, mas não de maneira apelativa, mas para nos despertar pra realidade das maldades da guerra.

Então, se você tem o “estômago fraco” e espera um romance com um final feliz no final, esquece. As várias cenas fortes de violência e tortura, mas não de forma gratuita, é na medida.

É interessante ver que seu marido Frank Randall (Tobias Menzies), um homem nobre e dedicado a ela, tem um ancestral nesse período onde Claire agora vive, o general inglês Jack Randall (vivido também por Tobias Menzies), que é o oposto de seu marido, sendo ele quase que o mal encarnado, e que desde o início decide ser o carrasco particular de Claire e começa uma perseguição contra ela.

Mas nem tudo é tragédia, já que ela conhece aquele que será seu protetor, Jamie Frasier (Sam Heughan), e seu crescimento e amadurecimento ao longo da história é bem dirigido e o personagem ganha a nossa torcida.

A cenografia, figurino e a ambientação é perfeita, o capricho aqui é muito bem feito e os detalhes são cuidadosamente trabalhados, é de encher os olhos. Igualmente a sua abertura, que traz uma trilha sonora que não é fácil de se esquecer. A crítica mundial à aclama, e entre os fãs declarados da série temos R.R. Martin.

Outlander, “demorei mas eu vi“, e indico, as duas primeiras temporadas estão disponíveis, e a terceira está em exibição pelo canal Fox Premium.

Importante observar a faixa indicativa da série, já que temos cenas fortes de violência e de sexo.

E se você já assistiu, não deixe de comentar o que você achou da série. E se você não viu, confira e não deixe de comentar o que achou, e por hoje é só, até a próxima com mais um:

Demorei, mas eu vi!

 

Paulistano, amo música, filmes, séries, e estou ressuscitando o amor por animes.
Aprecio os filmes bons e me divirto debochando dos ruins (o que gerou o injusto apelido de Mestre Hater).
Tento ter como característica, textos curtos e objetivos valorizando a informação.

Escritor das colunas
HATEANDO!
Demorei, mas eu vi!
Escondido na Netflix

Advertisement
Click to comment

Deixe uma resposta ...

Demorei, mas eu vi!

DEMOREI, MAS EU VI! | Réquiem para um Sonho

#requiemforadream
#darrenaronofsky
#jaredleto #jenniferconnelly
#nerdtripnews

Published

on

Na verdade eu iria publicar esse post na sexta feira, afinal sexta é dia de terror aqui no Nerdtrip. Mas resolvi, já que levantei o assunto, falar dele hoje mesmo. Se tem uma categoria de filmes em Hollywood que geram Oscars fáceis, esses são os filmes sobre o vício e as drogas. São vários os filmes que tentam trazer para a tela esse universo hoje cada vez mais próximo de nós “mortais comuns”.

Nesse andar da carruagem podemos citar obras como Laranja Mecânica (vital para entender esses tempos cheios de vigilância de hoje), Drugstore Cowboy (talvez o mais Nutella de todos esses filmes ao falar sobre o vício em anfetamina), Rush (mais denso, pega pesado no drama) e Trainspotting (com aquela velha história de perda da inocência, mas que pouco faz para demonstrar o problema), mas nenhum deles foi tão fundo no poço como um diretor nova iorquino chamado Darren Aronofsky.

Réquiem para um Sonho (Requiem for a Dream, 2001, Thousand Words/Protozoa Films/ Artisan) é daqueles filmes para ver e não se esquecer nunca mais. Apesar de ser um drama, se caracteriza tranquilo no gênero horror (o horror da vida real) e demonstra de maneira insensível, robótica e científica (sem espaço algum para a fé ou algo assim), como coisas simples da vida como sonhos, podem se transformar em nossos piores pesadelos, exterminando a pureza e a inocência.

requiem-for-a-dream

Olhe mais de perto

O filme que ganhou Oscar e prêmios mil pelo mundo afora e revelou o talento de vários atores de nossa geração como Jared Leto, a sempre bela Jennifer Connely e pasmem, Marlon Wayans (de Todo Mundo em Pânico), isso passando pelo grande retorno de Ellen Burstyn, que dá um grande show de interpretação e que lhe rendeu uma indicação honrosa ao Oscar do mesmo ano.

O filme do qual vou revelar aqui alguns spoilers, é dividido em três fases: Verão, Outono (FALL) e Inverno. O início lembra um filme de periferia. Mostra a vida de uma senhora aposentada, viciada em tv, chamada Sara Goldfarb (Ellen) que tem problemas com o filho Harry (Jared Leto) que é dependente químico com preferência em heroína e que vive (uma outra crítica do filme é dia-a-dia das periferias, os jovens tem poucas ou nenhuma oportunidade) vendendo a tv de Sara para pagar o seu vício. Sim, isso é meio abusivo. Mas essa vida ao estilo GTA é o que move a vida dele e de seu amigo Tyrone (Marlon Wayans, em boa atuação) que é negro e marginalizado por isso. Fecha o trio a doce Marion (Jennifer Connely) que é meio que uma Harley Quinn da vida real, determinada, apaixonada e cheia de sonhos. Sonhos estes que infelizmente serão atravessados com um rolo compressor.

Sara no telefone

Não se preocupe. Não há nada de errado. Nada a temer.

Sem muitas oportunidades de mudança (talvez pela letargia da mãe), Harry resolve unir o escroto ao improvável (eu não vou economizar adjetivos) e se aventura no mundo do tráfico com um motivo nobre: bancar a loja de roupas, sonho de Marion para mudar suas vidas. Só que com um único porém: sem largar o vício. Pra completar o giro da máquina, Sara ao ser convidada para o programa de TV em que era viciada (sim existem vários tipos de vício), fica obcecada com um vestido vermelho que não mais lhe cabe, por excesso de peso. Com medo de aparecer feia no tal programa, resolve fazer uma dieta, mas logo vê que não será tão fácil. Com a “ajuda” das vizinhas consegue o número de um consultório de um médico irresponsável que lhe receita drogas pesadas mas que reduzem o apetite (anfetaminas, aqui sim mostradas da pior maneira possível). Com isso ela consegue em pouco tempo entrar no vestido mas não percebe o grave efeito que as altas dosagens faziam em sua mente.

requiemforadream2

Os sonhos as vezes não tardam em se tornar os nossos maiores pesadelos

A segunda parte, Outono, não tarda a mostrar suas garras. Tyrone é o primeiro a cair (realmente o fato de ser negro no mundo do crime, por mais que não se queira falar em racismo, faz efeito) ao se ver inocentemente em uma operação feita pela máfia, e acaba preso injustamente como cúmplice. Harry mete a mão nos negócios do grupo para pagar a fiança e salvar o amigo. A boa estação (para as drogas) havia passado e os negócios com o tráfico começam a ir de mal a pior com uma guerra entre italianos e negros, esvaziando as ruas. Nesse momento, Sara, trancada em seu apartamento se “zumbifica” graças aos efeitos dos emagrecedores. Passa a viver em um mundo paralelo, onde as alucinações começam a assombrá-la. Com o êxodo das drogas, Marion começa a sentir os efeitos da abstinência e isso afeta o humor da garota que se torna mais fria, piorando toda a situação. Com o desespero tomando conta dos três, resolvem apostar todas as fichas em um carregamento vindo da Flórida. Porém, percebem que por causa da situação o grama seria vendido pelo dobro do preço, os levando a fazer escolhas terríveis para saciar seus próprios vícios.

800px-requiem_for_a_dream_screenshot_2

Um dia a festa acaba

A partir daí vocês já devem ter uma grossa ideia do que acontece. Requiem para um Sonho não somente recebeu indicações para prêmios, mas muitas críticas, chamando o filme de moralista demais. Mas digo (de uma pessoa que conheceu pessoas que estiveram nessas situações), é isso mesmo. O filme demonstra de forma duríssima a perda da inocência e inevitabilidade do destino (as ações dos personagens e falta de planejamento os levam a esse desfecho trágico), deixando uma lição que é difícil de ser esquecida. Pondo a minha opinião pessoal…uma hora a festa acaba e Aronofsky deixa claro que apesar de não ser regra…as vezes não termina bem e que a vida não é um brinquedo. Seriedade é necessária nas ações. Sei que isso soa muito Proerd mas essa é a verdade dos fatos.

O filme usa uma linguagem chamada de hip hop sense que acelera os quadros, fazendo tudo em ritmo de vídeo clipe ou quadrinhos. Por essa técnica vemos (e sentimos) cada viagem dos personagens, da melhor às muitas e terríveis bad trips que o final reserva. Vale destacar também aqui a coragem dos atores em muitas cenas (principalmente Connelly em suas cenas +18 do final) que não fazem nenhum esforço em esconder a angústia de suas interpretações. Outro destaque tem que ser dado a trilha sonora, que fez tanto sucesso que foi utilizada em uma versão de O Senhor dos Anéis e até filmes de super heróis e games.

requiem4

O mundo do vício da forma mais distorcida possível.

Enfim, Requiem catapultou a carreira de Aronofsky que hoje ainda é muito citado até para encarar um futuro longa do Batman (e espero que aceite, mesmo não estando hoje em melhor forma). O estilo duro, cético e pouco esperançoso se tornou a marca do diretor como no digno de nota Cisne Negro e no estranho e impressionante Mãe, suspense que acabou passando batido com Michelle Pfeiffer.

Nota para o filme: 5 / 5

E se pudesse eu dava seis

Continue Reading

Demorei, mas eu vi!

DEMOREI, MAS EU VI! | Ilha das Bruxas: Brasil tem terror sim!

#ilhadasbruxas #redemanchete
#nerdtripnews

Published

on

A tv brasileira já foi menos carola. Não é somente Deadpool hoje que tem filmes +18, antigamente e nos tempos saudosos da antiga Rede Manchete (era de ouro das grandes produções nacionais) se faziam programas de excelente qualidade. Com direito a ótimo uso dos atores nacionais.

Bem assustador para a época

Estreando na tv em março de 1991, uma série chegou a chocar o grande público e se tornou lenda nas redes sociais por ser a primeira que realmente (tirando o grande José Mojica Marins, o Zé do Caixão) trouxe o terror de verdade para as telas. Estou falando de Ilha das Bruxas (Rede Manchete, 1991, direção de Paulo Figueiredo), baseada na lenda sobre as bruxas que vieram de Açores para a ilha de Santa Catarina, tem um enredo muito conciso para a época e contou com cenas (mesmo com o estilo novela) que ainda devem estar na memória de quem assistiu.

A história que parece contada como os folhetins da Rede Globo, o mocinho pobre (e pescador) que é noivo de uma moça da ilha começa a ter problemas com a aparição de uma feiticeira que é a líder de um culto de bruxas que existe na ilha secretamente e sem o conhecimento de seus maridos. A feiticeira após sequestrar um bebê e beber seu sangue em um ritual satânico (tudo mostrado quase na íntegra) consegue o chamado Unguento das Bruxas (qualquer relação com Salem não é mera coincidência) e com isso invocar a Rainha Selene (que na verdade era a avó da noiva do filho do pescador) e seduz Pedro, que junto com o Doutor Benzedor (Irving São Paulo e Isaac Bardavid, em ótimas atuações) se tornam os principais da série.

Ilhadasbruxas

Como era tradição da antiga emissora, belas atrizes

A partir daí a série oscila no eixo entre o bem e o mal, sempre enfatizando o terrível poder que as bruxas possuem. Algumas críticas contra o machismo (sem descambar para um discurso político) seguem, afinal a ilha é de fazendeiros (e a produção é de época) e o patriarcalismo rola solto. Destaca-se também o ambiente pesado criado para a produção que lembra bastante O Nome da Rosa, com a guerra que acontece dos dois lados.

A série atualmente está disponível na íntegra no YouTube e pode ser vista sem dificuldade. Como se trata de uma produção da extinta Manchete, será difícil que um dia seja comercializada. Fica aqui a dica para que essa produção seja resgatada, quem sabe com uma nova roupagem e adequada para os dias atuais. É torcer.

ilha de santa catarina

Uma visão do passado brasileiro

Continue Reading

Demorei, mas eu vi!

DEMOREI, MAS EU VI! | Carros 3

Published

on

O primeiro filme da franquia agradou muita gente, é charmoso, tem um visual inteligente, uma história “ok”, o que acabou gerando uma sequência, essa já bem inferior.

Carros 2 não deixa saudade e nem lembrança, é totalmente esquecível e por pouco não foi a pá de cal da franquia. Eis que surge Carros 3. A princípio, o anúncio não empolgou ninguém, mas o primeiro teaser foi impactante.

Nele vemos o Relâmpago McQueen sofrendo um forte acidente e sentimos a ameaça e a seriedade de tal evento. Não houve como não achar interessante. O trailer em sequência apenas requentou o que já havia sido prometido.

Chegamos agora ao filme, que é muito interessante, uma animação que convida o público adulto a várias reflexões, surpreende nisso, a trama se encaixa muito nos dias de hoje onde temos inovações constantes que desafiam a geração anterior, que muitas vezes não tem atração por elas, e fica a dúvida: até onde elas são realmente necessárias?

O filme também ensina a importância de se aprender com o passado, e que nele há muitas pérolas escondidas quando se olha com outros olhos. Com certeza o público adulto será fisgado mais do que as crianças com tal proposta.

Carros 3 é deslumbrante, o gráfico é lindíssimo e vemos um salto grande de qualidade comparado com outros dois anteriores, é interessante ver como o desenho brinca com esse desafio da variedade de ambientes apresentados. É um show à parte.

O primeiro ato é perfeito, consistente e bem trabalhado. O segundo é bem lento, aqui é a parte um pouco mais difícil para muitos, eu particularmente gostei, quebra um pouco a necessidade de velocidade da animação.

A idéia do desfecho surpreende, mas infelizmente se prolonga demais, podia ser um pouco mais enxuto, depois de certo ponto fica óbvio e os discursos motivacionais deixam tudo meio clichê, coisa que não ocorria até aqui.

Demorei, mas eu vi! E a dica que eu dou é pra que você não demore em reunir a sua família e assistir Carros 3. Vale muito a pena. A torcida que fica é que tenha se encerrado a franquia, para que quando lembrarmos de Carros tenhamos saudade e não enfado.

Nota para o filme: 3,5 / 5

Continue Reading

Mais lidos da semana

Copyright © 2018 Nerdtrip. Theme by GNTK Inc., powered by Gancarteek. Todas as imagens de filmes, séries, games, quadrinhos e etc são marcas registradas dos seus respectivos proprietários.

%d blogueiros gostam disto: