Livros

ESPECIAL DIA DOS PAIS | Os Melhores Pais da Literatura

Hoje é o dia dos pais galera! Esses seres magníficos que Deus coloca em nossos caminhos. Até mesmo os que não tiveram um pai biológico presente, como é o meu caso, sabem que alguém, de uma maneira ou de outra, acaba suprindo nossa falta de termos… um Pai (a letra maiúscula foi proposital). Por isso hoje preparei um TOP 10 dos grandes e incríveis pais da literatura (na minha humilde opinião), ressaltando que o que mais importa é o que eles fizeram por amor e dedicação a seus filhos, confira:
 
Imagem relacionada1 – Jamie Fraser (Outlander): Esse ruivo lindo e charmoso abriu mão da sua felicidade, da sua vida, do seu amor, e até mesmo de sua dignidade em prol de salvar a mulher e… (por que não?) a filha. Um exemplo de pai que é raro e singular. Apesar de tantas e mais variadas demostrações de carinho e afeto, ele sequer conheceu a filha na infância e foi privado (devido ao seu total altruísmo) de acompanhar seu crescimento e obter o amor dela, pois outro homem a criou como se fosse dele. Eu confesso que é uma história emocionante e perdidamente apaixonante. Brianna Fraser, não tem nadinha do que reclamar de seu pai, ele é no mínimo um escocês magnânimo. 
2 – Reverendo John Whittier (Pollyanna): Nossa, esse pai foi difícil de achar o nome! Mas ele não poderia ficar fora de uma lista selecionada por mim. Ele é o pai de ninguém mais, ninguém menos que Pollyanna, uma menina órfã. (Agora deu, né? Se ela é orfã… Calma aí que eu explico). Essa menina tinha um jogo, chamado o “Jogo do Contente”, que se constituia em achar o lado bom das coisas. Mas a maneira com a qual ela fala do pai a cada vez que explica o jogo pra alguém (e como ela explica isso!) é o que me chama a atenção. Só um pai muito especial poderia fazer uma filha ficar feliz com um par de muletas, que chegou na caixa de doações, ao invés de uma boneca, que era o que ela desejava. Bom, esse pai fez parte da minha infância e adolescência, pois confesso que já li esse livro mais de uma dezena de vezes e me assumo portadora da “Sindrome de Pollyanna”. 
3 – Rick Grimes (The Walking Dead): é um personagem fictício da história em quadrinhos em preto e branco, sendo interpretado atualmente por Andrew Lincoln na série de televisão de mesmo nome. Mas o que fez essa “Viajante” abrir exceção para quadrinhos? É que são literatura também, oras! Eu seria injusta se falasse de pais e não citasse um que é capaz de enfrentar um mundo pós apocalíptico, com zumbis, para sobreviver e garantir a segurança dos filhos, não necessariamente nesta mesma ordem. Ele tem um bebê em um cenário completamente hostil, se a criança chorar alto e fizer barulho… E como ele controla bem aquela pequenina! Eu fico desesperada só de me imaginar no lugar dele. Então merecidamente está entre essa seleção. 
4 – Tio Ben (Homem-Aranha):  O pai em questão é na verdade um tio. Já que o precedente para os quadrinhos foi aberto acima, preciso (necessito muito mesmo!) falar de um pai um tanto quanto fora do padrão, mas que embora seja chamado de tio, é pai… E ponto final! Pois, “com grandes poderes, vem grandes responsabilidades” e o Homem Aranha não seria nosso amado Cabeça de Teia, não fosse a orientação pertinente recebida por esse tio-paizão. ‘
5 – Arthur Weasley (Harry Potter): Esse aí é paizão com “P” maiúsculo, tanto para sua penca de filhos, como para os agregados como Hermione e Harry. O Sr. Weasley um figura pra lá de paternal;
6 –  Eddard Stark (Game of Thrones): Esse literalmente morreria pelos seus filhos e pelo que acredita… A fantasia não é um ambiente agradável para os papais, (quiçá os dois primeiros nomes desta lista!) mas este homem possui justiça, lealdade, honra e compreensão com os filhos, cujo grande legado são os ensinamentos e os exemplos que ele procura deixar com os “lobos” Stark;
 
7 – Jor-El (Os últimos Dias de Krypton) :  O pai em questão é o de Os últimos Dias de Krypton  em que Kevin J. Anderson conta a história de um homem (e pai) extraordinário que se dedica, que fez de tudo para salvar seu planeta, e que garantiu que seu filho sobrevivesse. E o filho em questão, para que não reste dúvidas é o nosso querido Super-Homem (super… mega, blaster…).
 
– Akkarin (Trilogia do Mago Negro): Este pai é magnífico, bondoso e aprendeu a duras penas o valor de uma vida. Contudo, não pensa duas vezes antes de salvar a mulher que ama e que sequer sabia que teriam um filho. Exemplo de pai que merece ser citado aqui. Seu filho deve lamentar muito sua ausência. Seria um excelente pai, tendo passado por tantos perrengues. 
Gepeto (As Aventuras de Pinóquio, de Carlo Collodi) O carpinteiro que molda o seu boneco a partir de uma madeira que “geme”. Gepeto ama profundamento seu “filho”, mesmo que esse já nasça arteiro sendo que suas primeira atitude são de desrespeito ao chutar o nariz do velho assim que este acaba de esculpir suas pernas. Isso toca profundamente a alma de quem lê. Geppetto é bondoso e genuíno e seu “filho” precisa aprender em um “intensivo” ser bom o suficiente para merecer o amor desse pai. 
10 – Darth Vader: (falarei dele pela quantidade de livros lançados, baseados nos filmes e porque é legal mesmo!)“Luke, eu sou seu pai”, essa é uma frase inesquecível e eu não poderia deixar de citá-lo, pois o vilão quer trazer a família para o lado negro da força (mas afinal, isso é o que ele acredita ser bom) e não mede esforços para realizar isso. Eu tenho uma dúvida sobre a vida, a verdade e o universo… Mas só deixarei aqui para “causar” mesmo: Por que mesmo que a Rebelião é boa e o Império é mal? Tudo não se trata de meros pontos de vistas diferentes?
 
É claro que eu tive que deixar de fora muitos pais maravilhosos que poderiam estar nesta lista, mas eu precisava escolher… E vocês, lembram de algum grande pai na literatura? Façam a sua lista e me compartilhem comigo. Aquele Abraço.

Sobre o autor

W.F.Endlich

Autora de A Senhora do Caos - A Viajante e o Dragão e coautora de Sociedade dos Corvos, com o conto Vida Perfeita.
Nasci no Espírito Santo, mas vivo no interior paulista com minha família.
Sou graduada em Pedagogia, atuo na área de administração de empresas, escritora e redatora do NerdTrip. Iniciei minha carreira literária publicando na plataforma de leitura online Wattpad e em 2016 lancei meu primeiro livro impresso.
Com verdadeiro fascínio por histórias fantásticas, gibis, livros e pelo mundo nerd, sou jogadora assumida de RPG. Comecei a escrever por volta dos doze anos e convicta digo que os livros salvaram minha vida, tornaram-me um adulto mais completo e possibilitaram que obtivesse sucesso em minha carreira.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta ...

%d blogueiros gostam disto: