Connect with us

Animação

Justiça Jovem, a animação carta na manga na DC

Published

on

A série Justiça Jovem da DC teve seu início de seu universo de quadrinhos em 2011, quando eles lançaram a audaciosa reformulação dos Novos 52. Embora menos alardeada que a equipe principal, eles tiveram a mesma importância para o universo animado do mesmo ano, com a introdução da Justiça Jovem nos desenhos animados. A animação é excelente: ótima caracterização, e seu novo olhar sobre o universo DC conquistou quase todos os espectadores… e, em seguida, DC não deu continuidade a série em 2013, mas agora tudo indica que teremos um grande retorno.

Sim, o universo animado DC na TV anda meio caído, desaparecido após uma enorme quantidade de sucessos, como Liga da Justiça, Liga da Justiça sem Limites, Jovens Titans, e outros. O caso é que há muito o que se lamentar com a perda de Young Justice – especificamente, uma segunda série incrível que até então foi cancelada antes de ter a chance de alcançar seu verdadeiro potencial.

AS ARTES ERAM INCRÍVEIS

Sem ofensa para Bruce Timm, mas ele seria o primeiro a admitir sua arte foi fortemente estilizada; todos os homens tinham os mesmos peitoral e ombros tipo caixas e barris (desproporcionalmente fortes), todas as mulheres tinham as mesmas cinturas minúsculas, e homens com pernas desproporcionalmente magras. Mas Young Justice não só parecia arte de hq’s modernas, ela foi simplesmente exuberante. Os desenhos de personagens de Brandon Vietti eram bastante variados, mas perfeitamente encapsulado a cada personagem, se eles eram ser um membro de Justiça Jovem ou da Liga da Justiça. E os seus rostos eram muito mais expressivo do que Timm, exemplificando o drama que o primeiro DCAU geralmente só insinuava através das vozes expressões já prontas dos personagens. Sem dúvida, é a melhor (artisticamente falando) dentre os animações oriundas de hq’s feito até agora (na verdade, apenas “O último mestre do ar” e “A lenda de Korra”) chegam perto de igualar Young Justice para a apelação visual pura.

O FOCO INCOMUM

É excessivamente genérico de salientar “a equipe” como um dos pontos altos da série – Quero dizer, qualquer programa sobre Justiça Jovem iria estrelar a equipe, certo? Mas a equipe que acabou estrelando na Justiça Jovem desenhos animados é mais variada que nos quadrinhos. Mais importante, pensar em quantas essencialmente todos os novos personagens Justiça Jovem estabelecido para os fãs de quadrinhos: não. Kid Flash, Artemis, Miss Marte e Aqualad. Justiça Jovem transformou esses ajudantes DC essencialmente desconhecidos em alguns dos mais populares personagens DC. Quanto Superboy e Robin, a série apresentou uma visão simplificada, icônica da origem do Superboy pós-crise, origem esta que vai ficar na mente das crianças muito, muito mais do que os Novos 52, e colocando Aqualad no comando da equipe ao contrário de Robin , os telespectadores também tiveram a chance de ver uma versão mais jovem de Dick Grayson. Até mesmo os personagens mais conhecidos tinham novas versões mais intrigantes.

A DIVERSIDADE

Aqualad. Artemis. Besouro Azul. Miss Marte. Super Choque . Batgirl. Rocket, Moça-Maravilha. El Dorado. Abelha. Guardião. Zatanna. Chefe Apache. Samurai, entre outros. Young Justice apresentou uma quantidade nunca antes vista da diversidade de heróis, uma visão extremamente bem explorada. Além disso, Aqualad e Jaime Reyes (como Besouro Azul), ambos dominados grandes porções da primeira e segunda temporadas, respectivamente, e foram sem dúvida grandes papéis dos personagens. Mas o melhor, mais poderoso argumento para a aceitação em YJ foi provavelmente Miss Marte, que passou a maior parte da primeira temporada escondendo sua verdadeira forma de marciana branca monstruosa da equipe. Nos excelentes episódio “Suspeitos”, ela revela seu verdadeiro eu para seus companheiros de equipe, não só a equipe a aceita, mas ela Superboy (seu par romântico) diz a ela que ele sempre soube sua verdadeira forma (graças ao seu caos telepático no início da temporada) e nunca se importou.

O JEITO COMO VÍAMOS O UNIVERSO DC

Embora a série seja focada nos side kicks, isso não significa que era infantilizada. Longe disso, a série abrangia todo o universo DC, incluindo a Liga da Justiça, mas como pode ser visto através dos olhos dos personagens mais jovens. Isto proporcionou uma nova perspectiva sobre o universo DC – eo que seria a sensação de ficar na sombra do real Liga da Justiça. Além dos maravilhosos caracterizações dos heróis mais jovens, a animação deu um novo visual (melhor) ao principais heróis como Shazam, Canário Negro, Zatara e Tornado Vermelho, por tê-los presentes a ensinar e/ou ajudar as crianças. Isto aumentou as apostas consideravelmente, também; enquanto o núcleo da Liga da Justiça parece mítica e imbatível, eles muitas vezes não fizeram falta durante Justiça Jovem, forçando os jovens a tentar ter sucesso em desafios que até mesmo Batman e Superman achariam difíceis de enfrentar. E por último mas não menos importante, obrigando a ver que olhar para os heróis principais da DC através de seus protegidos – Robin de Batman, Aqualad para Aquaman, Artemis e Red Arrow to Green Arrow, Miss Marte para Martian Manhunter, e mais dramaticamente, Superboy para Superman, cujo desconforto em torno de sua não autorizado experiência de Lex Luthor era palpável – fez este novo universo animado DC fresco e fascinante.

A INTENSIDADE

Não que Batman, Superman e do resto do Timm-verse da DC não tivesse sua parcela de drama, mas Young Justice não tinha medo de ir no lá escuro a série era bem dark as vezes. Quase todos os super-heróis tinha um segredo, a maioria deles terrível. Aqualad foi tão longe com a maioria de seus companheiros de equipe que não acreditamos nos atos terríveis que ele cometia. Um Ricardito que na verdade, era um clone de Red Arrow por quase toda a série, enquanto o verdadeiro Roy Harper tinha sido mantido em coma e teve o braço cortado. E outras situações a equipe enfrentou foram igualmente terríveis – eles não estavam lutando contra uma versão infantil de Legião do Mal, eles tiveram que lutar com Lex Luthor, Vandal Savage, Despero, várias invasões alienígenas, e até mesmo Mongul e toda a sua Primeira Guerra Mundial. O fato de que nós estávamos assistindo estes mais jovens e menos experientes heróis tentam lutar estas grandes batalhas, isto significava que as apostas eram altas a cada episódio, cheio de tensão e adrenalina.

O FUTURO

A pior parte sobre o cancelamento de Justiça Jovem foi: E o novo universo animado que a DC criou? E eu não estou falando apenas de suspense do episódio final, onde a Luz se encontra com Darkseid em Apokalips (embora sabendo que nunca será resolvido dói muito). A equipe lutou contra a Luz em toda ambas as estações, e foi claramente indo para um confronto épico mesmo além dos Novos Deuses. Mas antes de Young Justice terminou, ele tinha introduzido estático e três jovens versões genuinamente legal, Chefe de Apache, Samurai e El Dorado! Personagens da DC tão variados como Plastic Man, Black Spider, Klarion the Witch Boy, Monsieur Mallah, e até mesmo Marvin e Wendy fez aparições! Young Justice universo pode não ter sido tão enorme quanto a versões animadas de Timm, mas claramente estava chegando lá. E agora teremos a chance de fato de chegar a ver o real e verdadeiro potencial da série anima os fãs da DC e também fãs de grandes desenhos animados.

CEO do Nerdtrip de GNTK INC., Engenheiro de Produção, amante da sétima e da nona arte. Apaixonado por música boa e amante dos Engenheiros do Hawaii. "Seja a pessoa que você quer ser."

Animação

D’ARTAGNAN E OS TRÊS MOSQUETEIROS | A mais amada adaptação da obra de “Alexandre Dumas” é um desenho animado

Published

on

Quem era criança nos anos 80 teve a oportunidade de acompanhar a década mais rica e criativa da cultura pop, seja na musica, no cinema, nas HQ’s e principalmente nos desenhos animados.

Um dos melhores exemplos de que a brincadeira tinha ficado séria, foi o desenho animado criado em 1981, desenvolvido por Claudio Biern Boyd, dos estúdios da BRB Internacional S.A. (Espanha) e realizada pela Nippon Animation (Japão)…

“D’Artacan y los Tres Mosqueperros”…

 

 

No Brasil “D’Artagnan e os Três Mosqueteiros”

A genial ideia de criar uma série de animação baseada no livro “Os Três Mosqueteiros”, do mestre Alexandre Dumas, mas com seus personagens transformados em cães, gatos e etc…(antropomorfismo) agradou em cheio as crianças, que sedentas por aventuras, tinham pela primeira vez contato com uma das obras mais importantes do gênero.

Uma das adaptações mais fieis a obra de Dumas, a série só chegou ao Brasil em 1984 pela TV Manchete, no programa Clube da Criança.

 

 

 

De uma forma lúdica e deliciosa, a série ambientada no século XVII, contava a historia do jovem D’Artagnan, desde sua pobre infância na Gasconha, sua viagem para a França (munido apenas de coragem, uma carta de recomendação de seu Pai, um antigo “Mosqueteiro” do Rei, um florete e um unguento feito por sua mãe, capaz de curar todas as dores) e toda sua jornada para se tornar um “Mosqueteiro”.

 

 

Uma das poucas mudanças da obra original, foi a alteração do nome da sobrinha de Monsieur Bonancieux, a camareira de confiança da rainha e grande amor de D’Artagnan, “Constance Bonacieux”, para Juliette.

Uma obra inigualável, que se tornou febre no Brasil, conquistando uma legião de fãs, que vibravam, sofriam e se divertiam com um clássico da literatura universal, cientes…

 

“Que o amor de D’Artagnan, era para Juliette.”

 

Continue Reading

Animação

BATMAN:THE ANIMATED SERIES | Aclamada série animada finalmente será lançada em Blu-ray

Published

on

O anuncio que os fãs do “Cavaleiro das Trevas” aguardavam ansiosamente finalmente aconteceu. A Warner Bros. Home Entertainment confirmou que a melhor série animada de todos os tempos “Batman: The Animated Series” finalmente ganhará sua versão em “Blu-ray”.

Nenhuma informação sobre o conteúdo foi disponibilizado, mas certamente toneladas de extras vão fazer parte do pack que deixaram os fãs do “morcego” obcecados em adquirir os maravilhosos “disquinhos azuis”.

Batman:The Animated Series foi uma série animada desenvolvida por Bruce Timm e Eric Radomski, produzida pela Warner Bros. Animation em 1992.

A série se tornou febre nos anos 90 por apresentar temas complexos, com uma estética sombria e retrô, totalmente inspirada nos filmes noir.

A empresa americana IGN (Imagine Games Network) classificou a série como a melhor adaptação de Batman em qualquer outra mídia fora os quadrinhos, o melhor programa de televisão de quadrinhos de todos os tempos e a segunda melhor série animada já produzida (perdendo apenas para “Os Simpsons”).

A revista “Wizard” também classificou a série como o segundo melhor show animado de todos os tempos (novamente perdendo para “Os Simpsons”).

O Guia de TV classificou a série como o sétimo maior desenho animado já produzido.

A aclamação generalizada levou a série a ganhar quatro Prêmios Emmy , incluindo o “Outstanding Animated Program” (Prêmio Primetime Emmy, apenas para os programas animados excepcionais considerados obras de arte) com o episódio “O Ajuste de contas de Robin” parte:1.

Tipo, a melhor notícia do ano!

Continue Reading

Animação

BATMAN: THE ANIMATED SERIES | 5 Curiosidades da melhor série animada de todos os tempos

Published

on

Após o estrondoso sucesso dos dois primeiros filmes de Tim Burton “Batman” (1989) e “Batman: O Retorno” (1992), a Warner tirou da cartola uma impressionante série animada que virou febre no mundo inteiro, tornando-se um dos pilares da mitologia do personagem, bem como a base inicial de todo universo criado pela DC Animation.

A revolucionária série “Batman: The Animated Series” criada pelo mestre Bruce Timm, completou 25 anos de seu lançamento (5 de setembro de 1992) e para comemorar em grande estilo, compilamos algumas curiosidades sobre o fenômeno que conseguiu sintetizar o universo do personagem de forma única, sendo considerada por muitos, a melhor e mais fiel adaptação do “Homem Morcego” já feita.

 

Você sabia…

 

1º) Que Bruce Timm começou sua carreira na Filmation, especificamente no desenho “He-Man e os Mestres do Universo”?

Timm era artista de fundo e designer de layout.

 

 

2º) Que os desenhistas da série animada usavam papel escuro em vez do branco para pintar os cenários?

Para criar o estranho senso noturno, os desenhistas de fundo usavam papel escuro em vez do branco tradicional. Isso permitia uma economia de tempo na hora de pintar grandes porções de cor preta, já que a maioria das cenas da série se passavam à noite. Os animadores criaram o termo “Dark Deco” para esse estilo artístico.

 

 

3º) Que Kevin Conroy foi o primeiro ator em animação a usar duas vozes distintas para retratar Bruce Wayne e Batman?

Conroy não só teve a iniciativa de preparar duas vozes diferentes para o “Cavaleiro das Trevas”, como também deixar claro que a verdadeira voz do personagem era a do “Homem Morcego”, Bruce era a fantasia, Bruce era o disfarce.

 

 

4º) Que além da Doutora Harleen Frances Quinzel, a detetive do Departamento de Polícia da Cidade de Gotham, Renee Montoya, também foi criada na série animada?

A personagem foi inicialmente criada para Batman:The Animated Series, mas foi introduzida de forma preventiva nos quadrinhos tradicionais antes da estreia da série em 1992.

 

 

5º) Que a voz do “Espantalho” parece diferente em alguns episódios da série animada, devido ao fato do ator “Henry Polic II” ter problemas com sua garganta enquanto emprestava a voz para o vilão na primeira temporada do show?

Por conta disso a voz de Jonathan Crane é uma em “Nada a Temer” e outra em “Medo de Vitoria” e “Sonhos na escuridão”. Sua voz mudou tanto, que os produtores diminuíram as aparições do Espantalho na série.

Já em 1994, o personagem voltaria em “O Julgamento” mas sem nenhuma fala. Isso ocorreu porque Henry Polic II estava se recuperando da cirurgia da garganta durante a produção deste episódio.

 

 

 

Continue Reading

Mais lidos da semana

Copyright © 2017 Nerdtrip. Theme by GNTK Inc., powered by Gancarteek.

%d blogueiros gostam disto: