Críticas

REI ARTHUR: A LENDA DA ESPADA | Crítica de “outro” Viajante!

Você não pode realmente criticar a lógica de deixar Guy Ritchie trazer um pouco de caos para o mundo tradicionalmente cavalheiresco do Rei Arthur. Em 2009, quando o detetive de consultoria moderna de Benedict Cumberbatch ainda estava para levar os espectadores ao seu Palácio da Mente, o primeiro filme de Sherlock Holmes de Ritchie provou ser uma revelação alegremente incendiária, proporcionando emoções inesperadas (e um sucesso de bilheteria de US $ 524 milhões) das histórias de Sir Arthur Conan Doyle com o brio visual da marca do diretor de “Snatch” e a devoção inabalável para as cenas de luta sem camisa.

Assim, em teoria, você não apostaria contra a opinião similarmente controversa de Ritchie sobre a lenda arturiana (uma reimaginação urbana – história de origem criada para dar origem a um universo cinematográfico ligado a seis filmes) para conseguir um truque semelhante. Não demora muito para que essas esperanças se definham, em vez disso – dada a cena de batalha de abertura do filme – sejam pisoteadas por um elefante em CGI de 300 pés. Embora tenha às vezes algumas cintilações, o filme “Rei Arthur: A Lenda da Espada” converte em um assunto misturado, pesado para baixo e confundindo elementos sobrenaturais em uma dependência preguiçosa nos efeitos visuais.

Ainda assim, as cenas de abertura são estimulantes. Os paquidermes gigantes e os saqueadores são parte de um prólogo que nos serve alguma história de fundo entre as cenas da matança das idades escuras. Na Inglaterra antiga, nos dizem que homens comuns estão em guerra com “magos” (seres místicos com o poder de controlar animais). Durante um conflito chave, o monarca reinante heróico, o Rei Uther (Eric Bana), faz uma intervenção crucial com sua espada mágica, Excalibur, mas a vitória parece vir com um vago custo místico – Vortigern, irmão de Uther, tem uma hemorragia nasal suspeita. Uma coisa – e em breve traição vem para Camelot.

Vortigern reivindica o trono, Uther e sua esposa são mortos e Arthur, seu único filho, está escondido em um barco antes de chegar em Londinium. Uma montagem rapidamente cortada – um show irresistível da verve estilística de Ritchie – que então retrata a jornada de Arthur, trabalhador de bordel ingênuo para brawler streetwise. Depois de ser convocado para o seu encontro habitual com a espada na pedra, Arthur eventualmente cai com uma misteriosa maga (Àstrid Bergès-Frisbey) e um grupo ragtag de lutadores que brigam pela liberdade de derrubar o regime de Vortigern e abraçar o seu destino heróico.

Esta parte do meio do filme, onde os tambores são como um cruzamento entre Robin Hood e Ocean’s Eleven, é, sem dúvida, o seu ponto alto. Mas também sublinha uma de suas maiores falhas. Mesmo em um cenário inesperado, os tropos de Ritchie – gírias do Leste de Londres, lutas de punho, truques narrativos de Tarantino-ish – ainda se sentem irremediavelmente datados. E depois há David Beckham. Depois de um breve cameo no filme anterior de Ritchie, The Man From U.N.C.L.E., Becks efetivamente se coloca como a resposta do Ritchieverse à Stan Lee, com uma aparência mais vigorosa e como um soldado vilão. É um mistificado, fist-biter de uma performance – quase impressionante quando você considera que apresenta um homem que é realmente de Leytonstone jogando um sotaque um pouco convincente, e o fato de um momento do personagem extremamente significativo para Arthur insinuar a parte penetrante do filme mal-julgado. Jude Law trabalha admiravelmente como o protoditador demoníaco Vortigern, mas a decisão de Hunnam de interpretar Arthur é como uma mentira para o ator interpretar um grande personagem

Ritchie é claramente ainda adepto em ordenar uma peça de ação inventiva, mas todas as esperanças é de que isso está se dirigindo em um lugar interessante para uma sequência futura.

Mesmo com os altos e baixos, eu gostei do filme. Espero que o diretor se supere na sequência.

NOTA PARA O FILME: 4/5

Deixem os seus comentários!

Sobre o autor

Jonatas Alt

Sou um dos redatores, curto revistas em quadrinhos, animes, games e músicas. Sou músico e sei conviver com equilíbrio entre a Marvel e DC.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta ...

%d blogueiros gostam disto: