Connect with us

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | A Luta Pela Esperança

Publicado

em

E hoje no “Escondido na Netflix“, quero indicar o filme:

A Luta pela Esperança.

Esse é um daqueles filmes que inspiram, que motivam e que nos fazem ter esperança ao se identificar na tela com o boxeador James J. Braddock, interpretado por Russell Crowe.

O filme tem a direção de Ron Howard (Uma Mente Brilhante, Apollo 13), e conta também com as atuações de Renée Zellweger e Paul Giamatti em seus melhores dias, sendo até indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante.

O roteiro é de Akiva Goldsman, e conta o drama vivido pelo boxeador James J. Braddock e sua família durante os anos seguintes à Grande depressão (crise econômica que teve início em 1929, e que persistiu ao longo da década de 1930, terminando apenas com a Segunda Guerra Mundial. É considerada o pior e o mais longo período de recessão econômica do século XX).

E justamente nesse período, Braddock sofre uma sequência de derrotas (nunca por nocaute) e lesões, e acaba sendo afastado das grandes lutas, restando lhe apenas lutas menores e desvalorizadas, o que lhe faz rapidamente viver a falta de dinheiro, até acabar sendo afastado de vez do boxe profissional, e tendo de sobreviver de serviços temporários de baixíssimo pagamento e nem sempre possíveis no cais.

Acabamos sofrendo e vivendo junto os tantos obstáculo e percalços, (um dos mais dramáticos momentos se dá quando ele se humilha quase que pedindo esmola) e admirando o honrado homem, lutador e pai de família representado por James Braddock.

Até que surge a oportunidade de voltar aos ringues para uma última luta, uma despedida, contra o número 2 dos pesos pesados do mundo. E ele entra na luta apenas como um fantasma do grande lutador que um dia já foi, as apostas são apenas para saber em que round ele cairá. Mas… bem, vou deixar pra você conferir.

Os ângulos em que as lutas são filmadas chamam atenção por alternar a visão em primeira pessoa com outros planos mais abertos. Sendo assim nosso envolvimento torna-se maior.

As lutas são bem coreografadas, cada golpe parece bem real, mérito da boa direção, que falha apenas ao retratar de maneira injusta e caricata o lutador campeão mundial “Max Baer“. A família de Max Baer inclusive protestou contra o filme, já que Max na verdade foi uma excelente pessoa. Ron Howard acabou pedindo desculpas publicamente e alegou que retratou Max daquela forma para dar maior dramaticidade ao filme, o que nesse sentido funcionou.

Braddock na época foi apelidado de Cinderella-Man (Homem Cinderella) pelo cronista esportivo Damon Runyon, o que resume bem o conto de fadas real que é a história de Braddock e sua família, que inspirou toda a nação naquele difícil período.

Um homem que ao subir no ringue não lutava apenas contra outro boxeador, mas contra a fome, o frio e a necessidade e como ele mesmo disse:

Luto por leite!

Para interpretar o lutador, Crowe perdeu 23 quilos, submetido a um duro treinamento sob a supervisão de Angelo Dundee, que já foi técnico do Muhamad Ali, Sugar Ray Leonard e até do nosso Maguila.

A Luta Por Esperança está “Escondido na Netflix” e merece ser conferido o mais rápido possível já que quase diariamente títulos são removidos da Netflix.

E não deixe de voltar aqui e comentar o que achou do filme. Então, boa sessão, e até a próxima.

Paulistano, amo música, filmes, séries, e estou ressuscitando o amor por animes. Aprecio os filmes bons e me divirto debochando dos ruins (o que gerou o injusto apelido de Mestre Hater). Tento ter como característica, textos curtos e objetivos valorizando a informação. Escritor das colunas HATEANDO! Demorei, mas eu vi! Escondido na Netflix

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | O Troco

Publicado

em

A dica do Escondido na Netflix dessa semana é o filme O Troco.
Esqueça aquela conversa de que “ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão“, não para o ladrão que foi roubado, que aqui atende pelo nome Porter (Mel Gibson).
Sujeito de uma ética distorcida, mas, de alguma pelo menos.

O filme conta a história de dois ladrões, Porter e Val Resnick (Gregg Henry), acostumados a roubarem coletas de pagamentos, tem como alvo da vez a coleta da Máfia Japonesa.
Eles esperam uma grande bolada, mas conseguem abaixo do esperado, apenas 140 mil dólares.

O problema é que Resnick tem uma dívida com o cartel de Nova York de 130 mil, e a sua parte no assalto lhe rendeu apenas 70 mil dólares.
Ele então vê como única opção trair Porter e conta com a ajuda de Lynn (Deborah Unger), a namorada de seu parceiro, que acaba de descobrir que está sendo traída, gente, é muita infidelidade…

Porter é traído, baleado pelas costas e dado como morto, mas vaso ruim não quebra fácil e alguns meses depois ele retorna querendo a sua parte do roubo, e seu jeitinho de cobrar vai incomodar desde detetives polícias corruptos, traficantes, o sindicato (como são chamado os organizadores do tráfico), a Máfia Japonesa, enfim, ele vai incomodar muita gente grande pelos seus 70 mil.

O filme teve alguns desacordos na época entre o diretor Brian Helgeland e o astro Mel Gibson, o que acabou fazendo com que o diretor abandonasse o filme.
A versão final teve que ter quase 30% refilmado para se encaixar no que Gibson e o estúdio queriam segundo declarou o ator na época:

“Não somente eu achei que alterações eram imprescindíveis no projeto. O estúdio produtor do filme também solicitou mudanças”

Mas o produto final é satisfatório, entrega um filme elegante, com um anti-herói bem interpretado por Mel Gibson, que não vê problema algum em resolver os problemas matando, saídas criativas e inteligentes, plot-twists divertidos, e um estilo Noir bem estiloso que foi possível graças ao uso de uma técnica de descoloração da fita depois de gravada com um solvente que aproximou as cores à tonalidades de cinza e azul.

Há um discreto humor negro na medida exata ao longo do filme, as falas são secas e muitas vezes cheias de clichês mas aqui isso é ótimo. O restante do elenco é excelente e conta com nomes bem experiente, como Maria Bello, Lucy Liu, Bill Duke, John Glover, David Paymer, Kris Kristofferson, William Devane, entre outros.

O Troco é o filme pra quem cansou dos mocinhos bonzinhos e dos heróis malhadões e quer ver um sujeito agindo como muito de nós gostaríamos que o herói agisse: sem regras, sem frescura e sem dó.
Não se esqueça, o catálogo da Netflix recebe e retira filmes de seu catálogo diariamente, então não vacile e assista logo.

Nota para o filme: 4 / 5

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

VINGADORES: GUERRA INFINITA | Contagem Regressiva (Faltam 5 dias)

KAMEN RIDER BUILD | Confira o título e o resumo do episódio 32

LUPINRANGER VS PATRANGER | Confira o resumo e título do episódio 11

ESCONDIDO NA NETFLIX | Onde os Fracos Não Têm Vez

ESCONDIDO NA NETFLIX | Requisitos Para Ser Una Persona Normal


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Continue lendo

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | Onde os Fracos Não Têm Vez

Publicado

em

Enquanto caçava, Llewelyn Moss (Josh Brolin) encontrou vestígios de uma venda de drogas. Apesar de saber que não deve, ele não resiste e leva o dinheiro encontrado consigo. O caçador se transforma em caça quando o impiedoso assassino Anton Chigurh (Javier Bardem) encontra seus rastros. Como se não bastasse um matador atrás de Moss, o xerife (Tommy Lee Jones), também passa a procurá-lo. Vencedor de 4 Oscars na edição de 2008 nas categorias: Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Ator Coadjuvante (Javier Bardem), Melhor Direção e Melhor Filme.

Tanto o filme dirigido pelos irmãos Coen quanto o livro de Cormac McCarthy trazem a necessidade e a marcante participação de Anton Chigurh, simbolizando o mal em um mundo de más escolhas e grandes falhas. A operação promovida pelos irmãos cineastas nesta obra é bastante complexa no que diz respeito a sua obra em geral por conta do seu final polêmico.

A ausência da trilha sonora só pontua o tom seco que a ação se desenvolve – tal qual o olhar gélido e a voz mansa que a figura psicótica que Javier Bardem representa na obra, um indivíduo que não polpa sua personalidade sombria em cenas em que demonstram sua natureza sem qualquer indício de afetividade ou conexão com o humano. Um assassino que promove o sangue na tela. O Oscar de coadjuvante foi um prêmio justo à altura de uma composição tão transparente e cuidada em cena. Suas sequências colocam a narrativa em ponto de maior tensão por conta do medo que transmite – aos personagens e ao público.

“Essa sociedade vai te matar. Mas, você não vai desistir”. O roteiro articula a situação do homem disposto a mudar de vida de qualquer forma, através do exercício de sua ganância – Josh Brolin defende bem essa persona em cena, contrapondo-se a Tommy Lee Jones que questiona essa terra “Sem país para homens velhos”, representando o homem cansado, um policial que ainda acredita na retratação de uma sociedade insana e caótica, mas que não vê alternativas para transformar o caos.

Mas, temos a ganância também expressa na imagem do assassino psicopata que permanece no encalço e acentua a noção de violência na narrativa: são inúmeros os momentos em que vemos esse personagem agir com brutalidade sem medo de qualquer retaliação. A dureza na fria atuação de Bardem simboliza essa noção crua de um cinema que quer dialogar sobre o humano, sem estereótipos e cacoetes, através de possíveis reflexos de um mundo sem sentimentos, mas brutal.

Outro fato impressionante é como o filme aborda o niilismo no sentido em como  Anton de forma sempre extremamente calma enxerga completa ausência de sentido em absolutamente tudo. Para Anton, a ideia que tudo é obra do acaso é algo extremamente importante e verdadeiro e isso nunca abala a sua calma. E ele ainda tenta fazer com que suas vítimas também enxerguem as coisas dessa forma. “Se a regra que você seguiu, Ihe trouxe aqui, de que serviu a regra?”

Contudo, é uma trama que retrata sobre a maturidade. Ou melhor, sobre a impossibilidade e imprecisão da ideia de maturidade num mundo, em última análise, incompreensível. A experiência humana marcada pela incerteza, a tendência quase inexorável ao erro e a impotência plena frente a uma lógica que coloca o homem em posição diminuta diante de sua natureza ao mesmo tempo implacável e incompreensível são características presentes em toda a obra dos irmãos Coen.

Destacando também a parte técnica do filme: o design de produção consegue nos levar com êxito ao início dos anos 80, e principalmente, a fotografia de Roger Deakins (constante colaborador dos diretores) está impecável em seus enquadramentos muito precisos. Ele conseguiu criar o visual do noir contemporâneo que ainda possui muitas características da cinematografia original dos filmes de 1950, porém com toques difusos, sombras mais delicadas e tratamento barroco expressivo para a iluminação principal. As altas luzes da contraluz permanecem intocadas.

Onde Os Fracos Não Têm Vez é um filme onde temos um estudo onde os personagens são o foco principal da trama. Nota-se a angústia de Tom Bell durante todo o filme e, principalmente, nos minutos finais, onde ele vê que não está mais inserido naquele “novo mundo”. É o exemplo de filme em que você precisa compreender a verdadeira mensagem transmitida. Há apenas uma quebra de elementos já estereotipados em filmes que envolvem o bem e o mal.  A maioria das respostas está nos diálogos e não nas cenas de ação. Interpretar um diálogo parece muito mais difícil do que interpretar qualquer outra imagem e, nesse caso, interpretar é imensamente necessário. A trama, por si só, compreende uma formidável obra cinematográfica. Um triunfante final e uma espetacular adaptação de uma estória, no mínimo, aberta a interpretações.

Nota para o filme: 5 / 5

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br

Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

TEEKCAST #40 | 10 anos de Universo Marvel nos Cinemas (Fases 01 e 02)

VINGADORES: GUERRA INFINITA | Contagem Regressiva (Faltam 6 dias)

GOD OF WAR | Lançamento do livro – A Arte de Deus da Guerra

PAPO DE CINEMA | Cronologia do universo de filmes e séries da Marvel

FORTNITE | Epic fala sobre problema de replay corrompido

VINGADORES: GUERRA INFINITA | Cinemas fazem maratona de Vingadores no dia 25 abril! Saiba os detalhes!

 

Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

 

Continue lendo

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | Requisitos Para Ser Una Persona Normal

Publicado

em

Qual o perfil você tem que atender para se considerar uma pessoa normal?
E se você atender todos os requisitos dessa lista, será se você será uma pessoa feliz?
Afinal, ser normal pode ser justamente o que você não é, não é mesmo?

No Escondido na Netflix de hoje indicamos o filme espanhol Requisitos para ser una persona normalO filme foi lançado em 2015, nele temos María de las Montañas (Letícia Dolera, que além de atuar também está no roteiro e na direção), ela que está na casa dos 30 e poucos anos e acaba de ser despejada, está desempregada, sem namorado, nem hobbies ou amigos, e tendo de voltar a morar com o irmão e com a mãe que ela não tem tanta afinidade.

E em uma entrevista de emprego ao ser questionada sobre o que seria uma pessoa normal e feliz, ela percebe que não atende a nenhum dos requisitos de uma lista que ela improvisadamente respondeu. Ela passa a repensar sua vida a ponto de recorrer a livros de auto-ajuda.

Entra na história o simpático Borja (Manuel Burque, que para se encaixar no papel engordou 15 kg), um camarada que trabalha junto com o irmão dela e que tem por objetivo emagrecer mas não tem disciplina para isso. Eles se conhecem e entram no acordo de um ajudar o outro em seus objetivos, ela atender a lista dita na entrevista, e ele simplesmente emagrecer.

O filme conquista pela simplicidade, não há cenas que são memoráveis por sua grandiosidade mas sim pelo jeito despretensioso, inocente e singelo, muitas vezes tão docemente transmitido por Maria e Borja que são pura simpatia. Os tons pastéis colorem o filme todo, e a trilha sonora é suave e divertida fazendo do filme um “docinho“.

Há dramas no filme, mas eles são bem dirigidos e não ficam massantes ou sendo esticados, são vividos de maneira descomplicada e pontuais. Outra coisa bem divertida é que algumas vezes acontecem a quebra da quarta parede de maneira charmosa.

É um filme simples, leve e doce que nos ensina que felicidade está no ser, e não no ter. Agora é aproveitar a nossa dica sem esquecer que a Netflix adiciona e remove filmes diariamente, então não vacile e corra pro sofá.

Nota para o filme: 3,5 / 5

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

CRUNCHYROLL | Chegando na tv aberta com duas novidades

C POP | Finalmente o final de Uma Odisseia Coreana!

NANATSU NO TAIZAI | Filme do anime ‘The Seven Deadly Sins: Prisoners of the Sky’ ganha inédito trailer!

BABY BOO | Após 2 anos, grupo sul-coreano lança o MV Kiss Me

VINGADORES: GUERRA INFINITA | Contagem Regressiva (Faltam 13 dias)


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Continue lendo

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: