Connect with us

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | Scarface (1983) – 35 anos de um clássico memorável!

Publicado

em

(Foto – Cena do remake de Scarface (1983) com Al Pacino fazendo o protagonista Tony Montana – Scarface ©/ Universal Pictures ©)

Uma boa refilmagem é aquela que consegue atualizar e acrescentar elementos à uma ideia já apresentada anteriormente de forma para enriquecê-la e torná-la mais palatável ao mundo moderno, mas sem jamais trair a essência da obra original. Talvez um dos exemplos mais palpáveis de bom remake seja o clássico de 1983“Scarface”, comandado pelo diretor Brian de Palma e estrelado por Al Pacino, em um dos papéis mais brilhantes de sua carreira. Sendo uma refilmagem do filme de gângster da década de 30, esse remake atualiza e intensifica aquilo que já havia sido apresentado no filme original, aprimorando a sua mensagem e transformando a refilmagem em um dos maiores clássicos da história do cinema.

E quais são os limites para um homem conseguir o que quer? Na década de 80, o criminoso cubano Tony Montana (Al Pacino) é exilado e vai para Miami onde, após não muito tempo, passa a trabalhar para o chefão das drogas local. Entretanto, a ambição desmedida de Montana combinada com uma terrível paranoia, logo vai garantindo para ele uma escalada natural no mundo do crime, transformando ele próprio no chefão absoluto das drogas. Assim, a trama se torna um orgânico estudo de personagem onde se analisa, através do cenário do submundo do crime, a ganância do homem moderno.

Ao invés do glamour da máfia ou mesmo de algo mais urbano e divertido, com piadas e conversas corriqueiras, que tenta gerar algum tipo de empatia ou admiração do expectador, temos aqui algo extremamente incômodo e visceral. Um verdadeiro tour-de-force de Al Pacino, vemos toda a ganância, falta de escrúpulos e, resumidamente, a ausência de qualquer tipo de sentimento positivo em Tony Montana, numa trajetória de ascensão e (vertiginosa) queda, marcada pela solidão.

(Foto – Divulgação do remake Scarface (1983) / Scarface ©/ Universal Pictures ©)

A trilha sonora deste filme é um divisor de opiniões, pois não conseguiu agradar todo o público. Apesar de cumprir o seu papel de forma geral, o destaque fica com a canção ‘Push It To The Limit’ do compositor e músico Paul Engemann, enquanto a música é executada, Tony está em cena alcançando a sua ascensão.

A atuação de Al Pacino é o grande chamariz do longa, transborda e domina talento com carisma. Sotaque perfeito, com um olhar desconfiado e provocador, acrescentando oscilações repentinas no tom de voz. Contendo diálogos inteligentes, mostrando a degradação humana forjada pela ambição de poder e voltado para expor o desenvolvimento psicológico do protagonista.

Os elementos técnicos são bem utilizados como angulação inferior ou superior com a câmera procurando sempre o centro, movimentos giratórios leves, e o foco nas expressões faciais dos personagens fazem da fotografia um banho de atmosfera. As cenas dinâmicas unidas a um figurino bem oitentista e o clima praiano de Miami tornam a obra o cúmulo do estilo.

(Foto – Cena do remake de Scarface (1983) com destaque para Al Pacino e Michelle Pfeiffer – Scarface ©/ Universal Pictures ©)

Scarface é um filme memorável. O roteiro de Oliver Stone funciona e é alinhado com a excelente direção de Brian de Palma. Al Pacino destrói mais uma vez, representando a inconformidade humana exibindo a grandeza de perceber a dor e nos faz lembrar que é o mundo do próprio homem que o deforma moralmente.

Nota para o filme: 4,5 / 5


SIGA-NOS nas redes sociais:
FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial

TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

NETFLIX | Saiba quais são os lançamentos e novidades de junho de 2018

BORUTO: NARUTO NEXT GENERATIONS | Revelados título, prévia e spoilers do episódio 61

MY HERO ACADEMIA | Confira o título e a prévia legendada do episódio 10 da 3ª temporada de Boku no Hero Academia

PAPO DE CINEMA | O Ineditismo e a Pluralidade do Cinema de Hong Kong no CCBB-SP

CONFABULANDO LETRAS | Como Escrever um Livro – Vídeo Tutorial #01


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | A Entidade 2

Publicado

em

(Foto – Reprodução)

Filmes de terror são muito comuns hoje em dia com o público adolescente e até com uns saudosistas adultos do gênero. E pra deixar a relação entre espectador e atores bem próxima, algumas estrelas de Hollywood resolvem participar às vezes de um filme mais sombrio.

Em “A Entidade” temos Ethan Hawke (Boyhood, Dia de Treinamento) carregando o filme nas costas, com um bom suspense e ótimos sustos, o primeiro filme teve uma boa recepção que acabou ganhando a sua continuação, A Entidade 2”, que resolve partir afundo no gênero de sustos. Como de costume, a pessoa mais famosa do primeiro filme não retorna para a continuação, mas é lembrada no filme tendo assim uma importância coerente na trama que acompanha uma mãe solteira que esta fugindo com seus filhos, e do outro lado temos o ex-policial que participou do primeiro filme (sendo o protagonista agora) agindo agora por conta própria e investigando casos sobrenaturais que envolvem crianças e mortes em porões de várias casas.

Na história inicial o ex-policial pega o costume de queimar estas casas para que o demônio maligno não tome conta das casas e dos porões e justamente a casa que ele ia queimar está à mãe com seus filhos. A partir daí que começa o envolvimento das crianças com os demônios do porão sombrio no qual é um dos grandes pontos altos do filme.

Com o desenrolar da trama, boas cenas de sustos e uma apresentação de histórias brutais e envolventes que tem um suspense gostoso são jorradas na cara do espectador que acaba nos levando em um desfecho já esperado pelos clichês que envolvem ao longo da trama, como brigas familiares com seus problemas comuns que já são percebidos inicialmente e que são de costumes nos filmes de terror, mas tirando isso, o filme apresenta outros defeitos.

Como algumas desconexões não explicadas do primeiro filme, por mais que continue usando a historia inicial como pano de fundo e abrindo o leque da historia com novos elementos, estes tais elementos ficam confusos nos quais resta até perceber alguns momentos forçados na comédia, algo que fica desnecessário em cima do protagonista que não consegue tapar os erros do filme, pois o personagem não consegue ser convincente para carregar a trama com equilíbrio no qual Ethan Hawke controlou magistralmente no primeiro filme que é infinitamente melhor que a sequência, faltou mais confiança tanto na atuação do ator como no desenvolvimento do personagem que ao termino do filme continua demonstrando ainda ter medo dos demônios e a sua continuação em investigar estes fatos acaba sendo para um “vazio comum” de que é somente acabar com o “velho mal” por uma vez de todas e ele se livrará desta entidade maligna. Infelizmente não é tão simples assim, mas está continuação é boa, destaque para o retorno da atriz Shannyn Sossamon (Coração de Cavaleiro) voltando aos holofotes e também da impecável atuação das crianças que são atacadas pela entidade, aqui o grande ponto do filme que vale com toda certeza ser  assistido. lembrando que ele está “Escondido na Netflix”, assista e claro tome alguns sustos com está boa continuação de terror.

Nota para o filme: 3 / 5

Trailer:

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

O PROTETOR 2 | Crítica do Don Giovanni

24K | Grupo sul-coreano retorna ao Brasil em agosto com a turnê Still With 24U

MEGATUBARÃO | Crítica do Don Giovanni

BTS | Grupo acaba de divulgar o Trailer LOVE YOURSELF Answer ‘Epiphany’ Comeback

BLACK6IX | Grupo sul-coreano chega ao país e faz primeiro show de sua turnê


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Continue lendo

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | We are Twisted F***ing Sister!

Publicado

em

Capa do album Stay Hungry de 1984

Meu primeiro contato com a banda Twisted Sister foi em meados de 1984 quando lançaram o album Stay Hungry. Eu já era fã do Kiss e do Iron Maiden e quando vi a capa do LP nas mãos de um colega de escola (eu tinha 11 anos de idade na época) minha mente explodiu. Sem nem ao menos ouvir uma música, já me tornei fã daqueles malucões. Vestindo uma roupa bizarra, com uma maquiagem pesada em um enorme cabelo loiro de aparência suja, o vocalista Dee Snider estava agachado segurando um enorme osso e com um semblante de psicopata. Ao lado dele, o nome da banda e o logotipo da mesma estilizada também em ossos, como vocês podem ver na reprodução ao lado.

Posteriormente comprovei que o som pesado dos caras me agradava tanto quanto seu visual agressivo e cômico ao mesmo tempo. O Twisted Sister provavelmente é a banda que popularizou o termo Glam Rock ou Glam Metal, apesar de não serem os criadores do estilo. Com o advento da MTV, emplacaram dois clips sensacionais (I wanna rock We’re not gonna take it), alardeando a rebeldia juvenil e repudiando velhos costumes e tradições como ultrapassados. Como todo bom rock deve ser.

Desde então, sempre me gabei de ser fã daquela banda com caras vestidos de mulher e que faziam um som da pesada, mas a verdade é que nunca me aprofundei realmente na história da banda. Eu entendia que Dee Snider era o cabeça da banda, por ser o frontman e também por um episódio onde o mesmo precisou defender não só sua música como o rock and roll e a liberdade de expressão  diante do senado americano em 1985 após uma comissão de púdicas esposas de senadores decidirem que o ritmo em questão estava deturpando a mente da inocente  juventude norte americana e deveria ser banido das radios e TVs. Seu discurso aos senadores, vestido como se apresentava em seus shows, foi épico e definitivo para a decisão final que acaboui entendendo que o banimento seria uma afronta aos direitos garantidos pela constituição. Eu também achava que como a maioria dos rockeiros, o pessoal do Twisted estava imerso em um ambiente de “sexo, drogas e rock and roll”.

Qual não foi minha surpresa então, ao assistir agora ao documentário  We are Twisted F***ing Sister!, disponível na rede de streaming Netflix. Lançado em 2014, o filme dirigido por Andrew Horn se utiliza do formato já clichê quando se trata de documentários sobre músicos, com entrevistas longas com os membros da banda, fãs, produtores, e outras pessoas envolvidas, recortadas em trechos curtos e intercaladas com imagens de palco, tanto antigas como mais recentes. Porém, o que me surpreendeu foram os fatos da história do Twister que eu desconhecia.

ALERTA DE SPOILER – SPOILERS A PARTIR DAQUI

Já de cara fiquei boquiaberto ao saber que o dono da banda, o cabeça e o responsável pela luta e pela sobrevivência da mesma desde 1975 não era Dee Snider, mas sim o guitarrista Jay Jay French. Claro que o vocalista conquistou sua importância dentro da banda com o passar do tempo, mas no começo, era apenas um moleque arrogante que French tinha que aturar. E meu queixo caiu ainda mais ao descobrir que tanto Snider quanto French, nunca usaram drogas, beberam ou fumaram. Sempre estiveram sóbrios apesar da aparência de doidos. E foi graças a essa sobriedade que passaram 7 duros anos na estrada tocando em clubes e bares até conseguirem gravar seu primeiro album em 1982. 

A história de como resolveram se vestir de mulher e se maquiar, a participação da namorada de Snider como figurinista da banda, a recepção por parte do público. Está tudo no longa, além de curiosidades como quando o dono de uma das casas onde tocaram veio parabenizá-los por seu racismo, quando a mensagem que queriam passar era totalmente outra. O documentário é leve e até mesmo engraçado em vários pontos, e não cansa o espectador apesar de suas duas horas e dezesseis minutos de duração. 

Muito pelo contrário, chegou a me decepcionar quando acabou sem citar a passagem de Snider pelo senado ou a produção dos clipes já no auge da fama. Porém a culpa foi minha por não ter dado muita atenção à sinopse, pois o filme entrega exatamente o que promete, ou seja, a história da banda antes da fama e da gravação do primeiro album. 

Diante disso tudo, fica minha recomendação para qualquer fã de rock. O documentário vale muito a pena. Abaixo, minha nota e o trailer:

4/5

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

ACRIMÔNIA | Crítica do Don Giovanni

IP MAN 4 | Cena de luta entre Donnie Yen e Jackie Chan destaque no filme!

TEKKEN 7 | Negan como personagem jogável no game ?

UMA CILADA PARA ROGER RABBIT | Conheça as 4 “Femme Fatales” que inspiraram a criação de Jessica Rabbit

CHARMED | O polêmico reboot da série

QUE MERDA É ESSA? | Shazam!

MAMMA MIA! LÁ VAMOS NÓS DE NOVO | Crítica do Don Giovanni

VENOM | Novo trailer é lançado!

TOP 5 | Vilões de séries que amamos odiar


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

 

Continue lendo

Escondido na Netflix

ESCONDIDO NA NETFLIX | Newness – A metamorfose do romance contemporâneo!

Publicado

em

Newness (Foto: Reprodução)

O amor está diferente, o romance entre casais homo ou hetero não são mais simplistas e cheio de aventuras de conto fadas, tudo agora é real e abrange toques viscerais nos relacionamentos atuais. Eu já citei essa “metamorfose ambulante” nos relacionamentos ao citar as melhores séries de romance com comédia da atualidade (para ver a lista, clique aqui).

Tudo isso no começo pode parecer loucura para você que adora o amor tradicional e claro que você terá um choque de realidade e irá perceber que esse amor bobo que era retratado nos cinemas não é real. O romance atual é mais sincero e vai te mostrar por situações que você já passou, então parabéns, você faz parte dessa louca transformação nos relacionamentos amorosos.

Newness seque essa linha de tudo doido e diferente, dois jovens navegam em uma cultura de conexão social baseada em mídia e começam um relacionamento que força limites emocionais e físicos. Com toques de filmagem indie, o posicionamento da câmera do diretor Drake Doremus (diretor do famoso romance Loucamente Apaixonados) poderá parecer irritante com certa tremedeira e pouca estabilização em tomadas perfeitas, entretanto, o roteiro totalmente envolvente de Ben York Jones faz com que a gente acabe se acostumando com as representações imperfeitas do casal composto por Nicholas Hoult e Laia Costa, pois “o segredo está nos detalhes” dessa louca jornada do romance moderno.

Em ambos os protagonistas fica a estrutura mais elogiada do filme, a química romântica de altos e baixos é extremamente bem trabalhada, o espectador se sente envolvido com as incertezas, com os segredos, com as loucuras e com os desejos sexuais de um dos casais mais bem trabalhados e loucos da sétima arte.

A única coisa que o filme peca é na sua longa duração e também na forçada de envolver um protagonista experiente no meio do casal. Mesmo assim o filme é extremamente interessante, poligamia, relacionamento aberto, intriga e ciúmes são combinados em um mix totalmente insano.

A história ameaça vagarosamente seguir uma linha desafiadora entre a dualidade das relações amorosas, a intensidade e a necessidade de não ter rotina mostra com clareza que atualmente fugimos dessa rotina, mas no fundo ficamos sem saber o que queremos realmente.

No fim queremos uma rotina diferente do que conhecemos, do que vimos com nossos pais e com a sociedade, o final é sublime ao explicar isso para o casal protagonista, “o amor são duas pessoas que não desistem uma da outra.”

O filme destaca que é preciso ter coragem para amar alguém neste romance excitante, autêntico e contemporâneo que é uma boa pedida para quem deseja debater monogamia e relacionamentos abertos, vale a pena conferir essa produção que está “Escondida na Netflix” para tentar entender o romance contemporâneo e toda essa “metamorfose ambulante” que está passando, realmente, o nosso poeta da antiguidade Raul Seixas tinha razão e já sabia desse futuro com a letra da sua famosa música que casa de forma sublime com este filme.

OBS: Procure assistir ao filme a noite, ele possui algumas cenas calientes, é um romance contemporâneo, então já sabe! Mas fique tranquilo que as cenas não são como iguais a LoveNinfomaníaca ou Azul é a Cor Mais Quente.

Nota para o filme: 4 / 5

Resumo:

Newness explora a metamorfose do romance contemporâneo com um casal que vive um relacionamento aberto. O filme fala de forma serena sobre amor e da construção de um relacionamento maduro. A importância do diálogo nos relacionamentos e de não deixar questões pendentes que possam virar fantasmas assombrando os futuros relacionamentos são o grande destaque no roteiro desta película, uma grande obra.

Ficha técnica:

Onde assistir: Netflix
Direção: Drake Doremus
Roteiro: Ben York Jones
Elenco: Nicholas Hoult, Laia Costa, Danny Huston, Courtney Eaton.
Censura: 16 anos.
Nacionalidade e lançamento: USA, 2017.

Trailer:

Leia mais sobre Escondido na Netflix


SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK:  facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM:  instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE:  www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

SUPER DRAGON BALL HEROES | Confira a prévia do primeiro episódio do novo anime

SILK | Sony anuncia mais um spin-off do universo do Homem Aranha

THE RESIDENT | Com elenco estrelado, nova série médica estreia em julho no canal FOX

DINO DANA | Premiada produção infantil será transmitida pela Nat Geo Kids no Brasil!

TOKYO GHOUL: RE | Ken Kaneki está de volta? Crítica da 3º temporada (Spoilers)

QUE MERDA É ESSA? | Solo: A Star Wars Story


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Continue lendo
Advertisement

Receba as novidades do Nerdtrip em seu e-mail!

Insira seu endereço de e-mail para embarcar nessa Viagem Nerd!

Advertisement

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: