Connect with us

Críticas

GOTHAM | 3º Temporada – Crítica do Viajante

Publicado

em

Salve, salve viajantes nerds! Quando anunciaram o formato de “Gotham” em 2014, como grande fã do “Batman”, daqueles que já acompanhavam as HQs mesmo antes de ser alfabetizado (passava horas olhando só as figuras), confesso que a princípio torci o nariz para a ideia. A primeira coisa que me veio à cabeça quando disseram que a série ia acompanhar o jovem “Bruce Wayne” desde a pré-adolescência ( o ator David Mazouz tinha 13 anos na época) foi a famigerada “Smallville”, sobre o jovem “Superman” que teve 10 temporadas entre 2001 e 2010, e que não deixou saudades. Eu imaginava que transformariam a vida de meu personagem preferido em uma “Malhação” sombria, o que graças aos deuses, não ocorreu.

 

Ben Mackenzie como o jovem James Gordon

De início, os produtores e roteiristas decidiram por focar o enredo mais no personagem do jovem “James Gordon” e seu início de carreira na polícia como detetive. Nas HQs Gordon é um idoso comissário de polícia que sempre contou com a ajuda de Batman para combater o crime em Gotham City. O ator escolhido para a empreitada foi Ben Mackenzie e para o papel de seu parceiro relaxado, glutão e pouco afeito a hábitos de higiene “Harvey Bullock” foi escalado o ator Donal Logue. A dupla enfrentava os mesmos vilões que Batman enfrentava nas HQs, porém em versões um pouco mais jovens. O que incomodou bastante os fãs no começo, pois a maioria desses vilões, nos quadrinhos, sempre tiveram a idade mais ou menos equiparadas com a do herói, e a reclamação era que estariam velhos demais quando o jovem Bruce Wayne chegasse à idade de se tornar o homem-morcego. A exceção ficou por conta de Selina Kyle, a “Mulher Gato” ou apenas a “Gata”, cujo papel foi dado à jovem atriz Canrem Bicondova que contava 14 anos de idade no início da 1º temporada.

Um Alfred menos britânico e mais “porradeiro”!

Porém, assim que a série começou a ser exibida, todas as minhas restrições e implicâncias caíram por terra. A produção da “Fox” nos apresentou uma cidade sombria e dominada pelo crime organizado que tratava com muito respeito a mitologia dos quadrinhos. Houveram mudanças, é claro, como o personagem “Alfred Pennyworth”, interpretado pelo ator Sean Pertween. Originalmente um cavalheiro inglês já idoso e com toda a pompa e trejeitos de um “sir” britânico, a versão para a série é mais americanizada mostrando  um homem mais grosso e “porradeiro”, porém sem deixar de ser o leal mordomo que assume a criação de Wayne como o grande objetivo de sua vida.

 

Outra modificação significante foi a introdução da vilã “Fish Mooney” que não existe nas HQs e que é interpretada pela atriz Jada Pinkett Smith”. A personagem foi de grande importância na 1º temporada ao disputar com “Oswald Coblepott”, o “Pinguim”, que é interpretado pelo ator Robin Lord Taylor, uma guerra pelo controle do crime organizado em Gotham.

Gotham foi um sucesso de crítica desde a estreia, e só evolui nas temporadas subsequentes, trazendo mais personagens do sub-mundo da cidade e, principalmente ao retirar aos poucos o foco do personagem de Gordon. Entendam, ele continua a ser o protagonista, porém várias tramas paralelas foram criadas, inclusive o próprio personagem Bruce Wayne cresceu de maneira inesperada e gratificante, deixando calados aqueles que no começo criticavam David Mazouz rotulando-o como um menino franzino e sem carisma que nunca teria condições de se tornar o grande herói de capa preta.

Tudo isso culminou nessa excelente 3º temporada que se encerrou no último dia 5 de junho deixando até o mais conservador fã do Batman de boca aberta com a cena final do último episódio.

“””ATENÇÃO!!! A PARTIR DAQUI, SPOILERS DA 4º TEMPORADA”””

Logo no início da temporada temos a introdução de um novo vilão, “Jarvis Tech”, também conhecido por “Chapeleiro Louco”, que é interpretado de maneira primorosa por Bento Samuel nos brindando com um psicopata que mantém uma relação abusiva com sua irmã que é portadora de um perigoso vírus que torna as pessoas super fortes,  porém malignas. O vírus permanece no foco da trama pela temporada inteira. O Chapeleiro Louco de Gotham, em minha opinião, superou de longe o mesmo personagem nos HQs, onde sempre julguei-o como um dos vilões mais insossos e irrelevantes do homem-morcego.

Cameron Monaghan e sua versão do Coringa que não deixa nada a desejar a outros intérpretes que já passaram pelo personagem.

Também tivemos a volta de ótimos elementos, como por exemplo o vilão “Coringa”, que na série é o jovem psicopata “Jerome Valeska”, interpretado pelo talentoso ator Cameron Monaghan, que não deixa nada a dever a outros grandes artistas que interpretaram o “palhaço do crime” ao longos dos tempos. A performance de Monaghan foi muita elogiada pela crítica e aprovada quase que unanimemente pelos fãs de Batman que concordam que sua versão do maior inimigo do Batman é muito superior à de Jared Leto, atual detentor do papel nos cinemas.

Charada, com uma versão discreta do uniforme, porém sem abandonar o verde que o caracteriza.

Outra agradável surpresa nessa temporada foi a evolução sensacional do vilão “Charada”, que é interpretado pelo ator Cory Michael Smith. O vilão, que no começo da trama era um funcionário legista dentro do DPGC (Departamento de Polícia de Gotham City), evolui até o psicopata obsessivo-compulsivo por charadas adotando inclusive o codinome pelo qual é conhecido nas HQs e uma versão mais discreta do uniforme, constituindo-se de um terno e gravata. Elegante porém sem deixar de lado a cor verde que sempre caracterizou o personagem. 

O Charada também revitalizou o personagem do Pinguim, que estava de certa forma desgastado pela alta exposição nas duas primeiras temporadas que já estava se tornando chato e repetitivo. Ao se tornarem inimigos e iniciarem uma guerra de cunho pessoal após o Pinguim assassinar a paixão de “Edward Nigma” (nome civil do Charada) por ter sido rejeitado amorosamente pelo mesmo.

O personagem Harvey Bullock, que na série é mais responsável, inteligente e até mais higiênico do que nas HQs, também cresceu na trama ao se tornar capitão de polícia e, pessoalmente, prefiro Bullock do que o próprio Gordon na versão televisiva.

Aliás, Gordon é talvez o personagem que mais me irrita em “Gotham”. Excessivamente passional e egoísta, Ben Mackenzie nos entrega um detetive de policia que não exita em colocar seus interesses pessoais acima dos interesses da cidade, o que o difere absolutamente do Gordon das HQs. Muitas vezes ele coloca seu parceiro Bullock em situações que põem em risco sua posição de capitão, apenas para resolver problemas como sua relação com “Leslie “Lee” Thompkins”, interpretada pela belíssima brasileira Morena Baccarin, ou quando se faz passar por um membro da organização criminosa “Corte das Corujas”  apenas para solucionar a morte de seu próprio pai ocorrida décadas antes.

Leslie Thompkins em versão sombria e maligna.

“Corte das Corujas”, inclusive, tornou a trama mais interessante. Uma organização secreta e criminosa de milionários de famílias tradicionais de Gotham que se autodenominam os “verdadeiros governantes de Gotham”, e que planejam um genocídio na cidade através do vírus já citado, com o intuito de limpar a cidade.

A já citada Lee Thompkins é outra que só cresceu nessa temporada. Após afastar-se de Gordon e casar-se com um mafioso, ela vê seu “ex” assassinando seu “atual”, o que causa uma relação ambígua de ódio/amor que a transforma em uma espécie de “vilã” já nos últimos episódios após se auto-contaminar com o “vírus Tech” (como passa a ser chamado durante a temporada). Confesso que particularmente eu gostei mais da versão mais sombria e maligna da personagem.

Mas o que mais chamou a atenção positivamente nessa temporada, foi o desenvolvimento do personagem que no fundo é o principal: o próprio “Batman”. O rapaz que começou a série aos 13 anos de idade, agora está com quase 17. Não é mais um garoto tímido e franzino. David Mazouz obviamente está se dedicando de corpo e alma ao personagem. É perceptível, principalmente quando o jovem ator fala da série, a empolgação e o deslumbre pela oportunidade que está tendo de interpretar um dos mais icônicos heróis da cultura pop. Obviamente que o rapaz está malhando. deu uma boa encorpada desde a primeira temporada. Na serie, iniciou um treinamento físico com o mordomo Alfred, chegou a participar de algumas lutas em aventuras ao lado da personagem Selina Kyle pelo sub-mundo de Gotham. Porém, nessa 3º temporada finalmente Bruce foi sequestrado para um retiro nas montanhas em um local semelhante à “Nanda Parbat” dos quadrinhos, apesar de o nome não ter sido citado em nenhum momento. Lá aperfeiçoou suas técnicas de luta sendo treinado por um personagem conhecido apenas como “Sensei” e que foi interpretado por Raymond J. Barry.

Esse personagem, o “Sensei”, conseguiu me enganar durante a temporada toda. Eu tinha certeza de que se tratava de “Ras Al Ghul”, vilão dos quadrinhos que tem centenas de anos, e que se revelaria mais cedo ou mais tarde. Porém, o mesmo acabou por ser morto e o verdadeiro Ras Al Ghul só apareceu no último episódio interpretado por Alexander Siddig, ator muito conhecido pelos “trekkers” por ter interpretado o doutor “Julian Bashir” na serie “Star Trek Deep Space Nine”.

Mas, como qualquer programa de TV, Gotham também tem seus pontos negativos. A personagem da “Mulher Gato”, uma das melhores das duas primeiras temporadas, esteve meio apagada nessa terceira. Podia ter sido melhor aproveitada, já que Canrem Bicondova já provou ser muito talentosa. O alento fica por conta de a mesma ter segurado pela primeira vez o chicote a la “Indiana Jones” que costuma usar nas HQs, nesse último episódio. O chicote vinha sendo usado por uma vilã secundária, “Tabitha Gallavan”, que é interpretada por Jessica Lucas, o que deixou a impressão de que a primeira virá a se tornar aprendiz da segunda na próxima temporada.

Outro personagem desnecessário nessa temporada foi o clone de Bruce Wayne. Poderia ter sido melhor aproveitado como antagonista do próprio Bruce, mas no final só serviu mesmo para substitui-lo enquanto esse estava fora da cidade. Os roteiristas também não souberam utilizar todo o potencial da personagem “Ivy Pepper” também conhecida nas HQs como “Hera Venenosa” e que foi interpretada pela atriz Maggie Geha.

Porém, a campeã da irrelevância foi a personagem “Vicky Vale”, cujo papel foi dado à atriz Jamie Chung. Vale chegou para ser par romântico de Gordon, o que destoa totalmente das HQs onde ela sempre foi par de Batman. De toda a forma, a personagem foi tão mal aproveitada e forçada dentro do enredo, que passou despercebida. Tenho certeza que muitos espectadores já nem lembram mais de sua participação que se restringiu a poucos episódios no início da temporada.

A temporada finalizou com dois ganchos para vilões que devem aparecer de forma importante dentro do enredo na próxima temporada. O primeiro é o já citado “Ras Al Ghul”, que nas HQs é provavelmente o maior antagonista do homem-morcego depois do “Coringa” e que não deve ficar em segundo plano na TV. O outro, veio com a revelação do verdadeiro nome de “Butch Gilzean”, que até agora era um vilão secundário, uma espécie de capanga dos vilões principais, e que é “Cyrus Gold”. Quem acompanha as HQs, sabe que este é o verdadeiro nome de outro vilão clássico, “Solomon Grundy”, um zumbi imortal. E como esse personagem que é interpretado pelo ator Drew Powell tomou um tiro na testa no episódio final, fica a deixa para se tornar o morto-vivo em questão.

Bruce Wayne quase Batman!

Mas o que realmente deixou os fãs de Batman de queixo caído, foi a cena final da temporada que mostrou um personagem encapuzado e todo de preto enfrentando o crime na noite de Gotham. Após salvar um casal com seu filho pequeno de um assalto, o vulto negro desaparece para reaparecer no alto de um prédio observando a cidade. O misterioso ser retira o capuz e… é Bruce Wayne!!! É Batman!!! Só não está vestido de morcego ainda… O caminho está aberto para a transposição de “Ano Um”, o clássico do escritor Frank Miller para a TV. Não, caro leitor, eu não acredito que o farão. Mas sonhar não custa nada, né?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jorge Obelix. Ancião do grupo, com milhares de anos de idade. Fã da DC Comics e maior conhecedor de Crise nas Infinitas Terras e Era de Prata do Universo. Grande fã de Nicholas Cage que acha que um filme sem ele nem pode ser considerado filme. Fã de Jeff Goldblum também, e seu maior sonho é ver ambos (Cage e Goldblum) contracenando.

Críticas

STAR TREK: DISCOVERY | Teoria confirmada! – Episódio 12: Vaulting Ambition – Crítica do Viajante

Publicado

em

E a principal teoria formulada pelos fãs desde que a série Star Trek: Discovery começou a ser exibida, está oficialmente confirmada através do 12º episódio, Vaulting Ambition, que foi ao ar ontem.

Há 3 episódios a U.S.S Discovery está perdida no chamado Universo-Espelho, tentando desesperadamente encontrar uma maneira de voltar ao seu Universo de origem. Já havíamos descoberto que o capitão Gabriel Lorca” (Jason Isaacs) desse Universo paralelo era um fugitivo do império terráqueo que nesse plano governa o quadrante com mão de ferro, pela acusação de golpe contra a imperatriz. E que a especialista Michael Burnham (Sonequa Martin-Green) foi dada como morta.

Nesse cenário, a tripulação da Discovery também já havia descoberto que no passado daquele Universo, já houvera outra incursão de outra nave oriunda de seu universo: a Defiant. Com um plano mirabolante para tentar por as mãos nas especificações dessa nave e assim tentar descobrir uma maneira de voltar para a casa, Burnham havia se apresentado como sobrevivente de uma busca por Lorca apresentando-o como seu prisioneiro para entrar na nave capitania do império.

Desde o primeiro episódio os fãs desconfiavam que Lorca poderia ser originário do Universo-Espelho que já apareceu várias vezes em outras séries da franquia. Um compilado de fatos para basear essas suspeitas rodou as redes sociais alimentando essa teoria conspiratória. Segue abaixo esse compilado retirado diretamente do grupo de facebook  Apenas um Trekker:

  • Moral maquiavélica
  • A almirante Katrina Cornwell (Jayne Brook) diz que ele parece outra pessoa desde o incidente com sua nave.
  • Lorca envia Cornwell para morte certa
  • Ele tem uma coleção de armas bizarras
  • Ele tem uma cicatriz semelhante ao agonizador portátil
  • Ele confessou ao engenheiro Paul Stamets (Anthony Rapp) estar trabalhando em um mapa da rede micelial que levasse a universos paralelos
  • Ele inseriu coordenadas suspeitas antes do pulo que levou todos para o universo espelho
  • Descobrimos que o Lorca do universo espelho sumiu
  • No Universo espelho Michael comentou que “Até a luz aqui é diferente” e a luz parou de incomodar Lorca
  • Serviram um polvo estranho para Michael comer no universo espelho, o mesmo prato que vimos Lorca comendo na Discovery
  • Lorca parece ter dado um leve sorriso de canto de boca quando a Imperatriz apareceu

Ao final do episódio descobrimos que sim, os trekkers de plantão acertaram mais uma vez e a teoria está confirmadíssima. Lorca realmente veio do Universo-Espelho e estava enganando a todos na Discovery. Resta agora a dúvida: E o Lorca original? O que foi feito dele? Foi morto pela sua contra-parte? Estaria vivo sendo mantido como prisioneiro?

Pessoalmente me decepcionei com essa reviravolta. Apesar de todas as evidências apontarem para isso, eu ainda tinha uma ponta de esperança de que isso não seria utilizado, e que o Lorca apresentado era realmente daquele jeito, um cara bem intencionado porém com a moral flexível devido aos horrores da guerra e o momento de tragédia. Isso, em minha opinião, o tornaria mais humano do que os outros capitães apresentados em outras séries da franquia com seus nortes morais inabaláveis que muitas vezes me soaram exagerados e até mesmo irreais.

Na trama paralela, conhecemos também a contra-parte de Stamets quando ambos se encontram face a face dentro de um terceiro universo extra-dimensional e micelial. A volta de ambos aos seus universos originais deve dar o tom dos próximos episódios.

A despeito das muitas reclamações dos trekkers mais conservadores, a série, em minha opinião, continua ótima, prendendo a atenção do começo ao fim do episódio e deixando ganchos espetaculares para os próximos. Minha classificação para o conjunto da obra se mantém:

 

Links para as críticas dos episódios anteriores:

Episódio duplo de estréia

Episódio 03

Episódio 04

Episódio 05

Episódio 06

Episódio 07

Episódio 08

Episódio 09

Episódio 10

Episódio 11

Confira Também:

TEEKNEWS #64 | O podcast mais divertido da galáxia

FRAMBOESA DE OURO 2018 | De “Mãe” a “Baywatch” conheça os indicados aos “piores do ano”

ALIEN | Espécie rara de “tubarão” espanta a internet por sua semelhança com os Xenomorfos

Continue lendo

Críticas

GODZILLA: PLANETA DOS MONSTROS | Crítica do Viajante!

Publicado

em

O estúdio Toho animation em parceria com a Netflix mais uma vez acerta em cheio na produção e nos trás uma animação nada menos que explendida. Deixando claro que essa animação é apenas uma parte de uma trilogia que reconta a história de Godzilla de maneira atualizada e direta. Godzilla: Planeta dos Monstros faz até os fãs mais assíduos monstro dar o braço a torcer seja pela  história ou pela animação da Toho de ótima qualidade que mistura 2D com 3D de maneira surpreende. A riqueza de detalhes da animação é um show à parte que deve ser apreciado nos mínimos detalhes, seja em um simples diálogo ou nas cenas de batalhas dignas de uma ótima ficção científica.

Na história do longa no último verão do século 20 a terra de depara com o aparecimento dos monstruosos Kaijus, sejam os que dormiam nas profundezas do mar ou os que surgiram das entranhas da terra ou até mesmo os que vieram de profecias bíblicas. Não importa eles surgem e além deles surge o monstro dos monstros, aquele que é considerado o predador alfa de épocas imemoriais, Godzilla. Ele simplesmente destrói tudo ao seu redor seja humano ou Kaiju faz isso o suficiente para atrair uma raça alienígena que tinha interesse na terra e decide ajudar os humanos.

Mas nem mesmo uma aliança inesperada de tecnologia e vontade foi o suficiente para derrotar o monstro, diante de tal situação a única alternativa da humanidade foi abandonar a terra e partir em uma grande arca a procura de outro planeta habitável. A Partir daqui o enredo lembra muito a série The 100, passaram 20 anos desde que a humanidade deixou a terra. Os recursos começam a ficar escassos a população aumentou desde então, de maneira que os mais novos tem a terra apenas como uma lenda.

Depois de anos sem sucesso a procura de um planeta habitável  e com a arca em estado crítico não há outra opção senão voltar para terra e esperar que o predador alfa não esteja mais vivo. O que leva a outro problema o fato de viajar por 20 anos na velocidade da luz fez com que se passasse 20 mil anos na terra, modificado todo ecossistema o deixando mais adaptável para Godzilla.

O filme não se trata apenas de uma batalha contra monstros ainda que pareça mais uma vingança pessoal do protagonista Haruo contra o monstro que matou seus pais ao surgir e tomou seu planeta. Se trata do  quanto somos pequenos e como podemos lutar com essa temível força da natureza ambulante por um planeta que se quer é adaptável para nos. O monstro Godzilla   tem grande destaque cada vez que aparece sua textura bem feita e movimentação faz ele parecer real demais para uma animação.

Agora de volta a Terra Haruo e parte do exército da arca não terão que lidar somente com Godzilla mas também com um ecossistema agressivo e outros tipos de monstros dando o título do filme “Planeta de Monstros” que foi exatamente o que a Terra se tornou. Haruo terá que usar seu senso de liderança e anos de estudos formando  sua grande estratégia apenas para descobrir uma verdade terrível. E como cereja do bolo ainda temos uma cena pós créditos que já nos prepara para o próximo episódio dessa saga.

Godzilla: Planeta dos Monstros veio para  mostrar a nova geração por que o monstro está na cultura pop e por que é tão querido e temido ao mesmo tempo.

Nota: 

Godzilla: Planeta dos Monstros

Duração: 1h29min

Elenco: Mamoru Miyano, Takahiro Sakurai, Kana Hanazawa

Direção: Kobun Shizuno, Hiroyuki Seshita

Roteiro: Gen Urobuchi

Disponível: Netflix

 

Continue lendo

Críticas

SAKURA CARD CAPTORS | Primeiras impressões sobre a nova temporada

Publicado

em

A nova temporada de Sakura Card Captor: Clear Card-hen já estreou no serviço de streaming Crunchyroll e até o momento com os 2 primeiros episódios do anime disponíveis.

A jovem garotinha esta crescida e agora cursa o ensino médio juntamente com sua amiguinha Tomoyo. A sua rotina continua a mesma, após tomar café com o carinhoso pai e o irmão que adora zoar com a cara dela, Sakura segue para a escola ansiosa para ver os amigos e iniciar o ano letivo. A noite Sakura tem um sonho estranho com novas cartas, só que dessa vez são cartas transparentes e com estranhos poderes. Mais tarde ela procura Yukito, que transforma-se em Yoi e os dois conversam sobre algo que aconteceu após o sonho.

Como sou fã de carteirinha da série, é maravilhoso voltar a assisti-la com episódios inéditos, porém, até o momento, os capítulos não trouxeram grandes novidades. A nossa heroína recebe uma chave pra coletar cartas mais uma vez, com uniformes feitos pela excêntrica Tomoyo, que adora costurar pra Sakura. Eu achei o máximo o fato dela  ainda manter  contato com todos os personagens da saga anterior, o garotinho que é a reencarnação do Mago Clow, seu amigo e amor de infância Yukito (forma humana do guardião Yoi) e por fim seu ex-rival e atual paixão Syaoran Li, que voltou a cidade de Tomoeda.

Os traços da animação estão sutilmente melhorados e coloridos de maneira bastante encantadora. Resta aguardar os próximos episódios pra ver o quais aventuras estarão reservadas para a corajosa Sakura.

 Sakura Card Captors é uma série de mangá do gênero mahō shōjo criada pelo grupo CLAMP e publicada na revista Nakayoshi, com 12 volumes, de 1996 a 2000. Foi adaptado para uma série de anime pelo estúdio Madhouse, somando 70 episódios (divididos por três temporadas), 2 filmes e 3 especiais (OVA). No Brasil foi exibido no canal a cabo Cartoon Network em 2000, na Rede Globo em 2001, no canal a cabo Boomerang em 2008 e na Ulbra TV. A série de mangá foi publicada pela JBC com 24 volumes no formato meio-tankobon e 2001.

 

Veja também:

Nintendo Switch | Novos acessórios prometem inovar na realidade virtual

THE FLASH | Imagens promocionais revelam novo traje do Homem Elástico

MAZE RUNNER: A CURA MORTAL | Divulgado novo Spot Oficial

 

Continue lendo

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: