Connect with us

Críticas

HELLBOY | Um reboot “desastroso” e “divertido”! (Crítica)

Publicado

em

Estamos no meio de uma época de ouro para os filmes de quadrinhos, com filmes atraindo atores e cineastas de primeira linha, então é fácil esquecer como até agora, nosso quadro de referência para um filme de histórias em quadrinhos “bom” mudou. E então vem Hellboy para nos lembrar como um filme de quadrinhos pode voltar a ser algo desastroso de se ver nas telonas.

Dirigido por Neil Marshall (Dog Soldiers, Abismo do Medo) e estrelado por David Harbour (Stranger Things) como herói demoníaco do filme, Hellboy serve como um reboot da franquia de aventura sobrenatural originalmente trazida para a tela no filme de Guillermo del Toro de 2004 com o mesmo nome. Nem terrível e nem fabuloso, Hellboy de 2019 fica aquém do padrão estabelecido por seus antecessores – Hellboy, de Del Toro, e sua sequência, Hellboy II: O Exército Dourado de 2008, e se formos comparar com o padrão estabelecido pela atual safra de filmes de quadrinhos, o filme perde ainda mais credibilidade.

Foto: Imagem Filmes

Antes de nos encontrarmos com Hellboy, somos apresentados a “apagada” Nimue, a Rainha de Sangue da “sem sal” Milla Jovovich, uma poderosa feiticeira e principal vilã do filme que em breve será reduzida em pedaços e distribuída em um kit pelo mundo todo graças ao Rei Arthur e à Excalibur. Avançando 15 séculos ou mais, ela foi remontada por Gruagach; ao lado de Alice Monaghan, vidente psicopata de Sasha Lane que é uma amiga de Hellboy e que tem uma conexão com os espíritos falecidos e Ben Daimio, o agente metamorfose de Daniel Dae Kim, que abriga alguns segredos sobrenaturais.

Ao assumir o papel de Hellboy da estrela da franquia anterior, Ron Perlman, Harbour faz um trabalho respeitável de carregar o manto fortemente maquiado do personagem-título do filme, um demônio que luta para encontrar seu lugar no mundo humano. Contrastado com o giro de Perlman no personagem, o Hellboy de Harbour é uma versão mais imatura e com tendência a birra, que vive sobrecarregado de dúvidas, apesar de todo o poder que ele possui, o personagem segue aquele clichê de ficar lutando contra o seu verdadeiro destino. Visualmente, o Hellboy de Harbour é um personagem significativamente menos humano do que o anterior, com características mais monstruosas que o fazem parecer mais parecido com as criaturas que ele enfrenta do que com os personagens humanos ao seu redor.

Foto: Imagem Filmes

Seja um efeito da maquiagem e do roteiro, o desempenho do Harbour como o personagem é uma combinação de todos esses fatores, essa falta de humanidade vai além do elemento visual do personagem e, ocasionalmente, dificulta a conexão com essa versão do Hellboy. Onde o Hellboy da franquia original sempre se sentiu como um personagem muito humano debaixo da pele vermelha e chifres, desta vez, o Hellboy se sente mais monstro do que homem, e isso acaba funcionando bem quando a história tenta promover uma sensação de páthos (empatia) em torno dele.

Mas esse foco exagerado no personagem-titulo se enquadra em uma aparente forma da história em abandonar seu elenco de apoio e fazer de Hellboy uma história de um personagem só. A série de histórias em quadrinhos do criador de Hellboy, Mike Mignola, deu ao pesquisador paranormal um elenco colorido de personagens humanos e não-humanos, mas o filme de Marshall parece relutante em dar a alguém que não tenha o nome Hellboy em nenhuma tela. Os personagens humanos Alice Monaghan e Ben Daimio são relegados a se vestir, e nunca deram o tipo de desenvolvimento que o empático aquático Abe Sapien (Doug Jones) ou a pirocinética Liz Sherman (Selma Blair) tiveram nos filmes originais, transformando o Hellboy em essencialmente um.

Essa decisão de colocar o foco em Hellboy parece intencional, já que o filme geralmente evita o tipo de momentos de desenvolvimento de personagens. Felizmente, isso não é necessariamente uma grande falha, caso você esteve com uma expectativa propícia ao que você queria ver na tela. 

Marshall já havia dirigido um dos mais assustadores e subestimados filmes de terror dos últimos 20 anos em 2005, Abismo do Medo (The Descent), e seu talento para aterrorizar uma platéia está em plena exibição em Hellboy. Embora o Hellboy dependa de efeitos digitais para suas criaturas um pouco mais do que os filmes anteriores do Hellboy, a classificação adulta fica bastante ativa, com alguns monstros realmente assustadores e uma cena de ação gráfica e sangrenta logo uma após a outra.

Ainda assim, a ausência de efeitos de criatura mais substanciais e práticos – junto com um ator talentoso no nível do ator Doug Jones de franquia Hellboy original – é profundamente sentida neste filme, que parece contentar em substituir o gore e o espetáculo pela textura e profundidade de seus predecessores. 

Foto: Imagem Filmes

As apostas são maiores em Hellboy do que nas outras aventuras de tela grande do personagem, e a história consegue incluir muito mais no filme do que você poderia esperar. Os fãs da série de quadrinhos do criador de Hellboy, Mike Mignola, provavelmente apreciarão todos os pontos de trama e os personagens populares que saltam de página para tela, isso não quer dizer que a narrativa não tenha uma parcela justa de questões. Os personagens de Hellboy tendem a pular na tela um pouquinho rápido demais, e o filme ocasionalmente se sente apressado, apesar de seu tempo de execução de duas horas.

O que temos apresentado no geral é algo desarticulado e bagunçado em todos os sentidos, o que gera um forte contraste com o roteiro decididamente desnutrido de Andrew Cosby, Hellboy deveria estar combatendo demônios por dentro e por fora, mas seu conflito é reduzido a nada mais do que alguns pequenos murmúrios de preocupação sobre a destruição de seus companheiros monstros e um pouco de briga com seu pai adotivo (vívido por Ian McShane que atua de forma bem preguiçosa).

Isso é resolvido de forma rápida e inexplicavelmente graças a um encontro inesperado com a velha Baba Yaga – um destaque arrepiante, que em certos momentos sofre com a trilha ensurdecedora de Benjamin Wallfisch, os exageros sonoros afetam a tensão e o entusiasmo de cada cena de ação obscura e editada. No interesse de levar o público para o próximo grande efeito, Hellboy sacrifica qualquer desenvolvimento significativo de seu elenco de apoio, e enquanto Harbour faz o melhor que pode para levar o filme, a falta de investimento emocional em seu Hellboy deixa o filme se sentindo um pouco oco.

Aqueles que procuram uma aventura fantástica e sangrenta cheia de monstros assustadores e ação exagerada provavelmente ficarão mais do que satisfeitos com o que a Hellboy oferece. No entanto, quem procura um filme que eleva o personagem e seu universo ao nível de outras franquias proeminentes de histórias em quadrinhos e que dominam a telona poderão ficar um pouco desapontados.

No momento em que se espera que os filmes de quadrinhos elevem continuamente o padrão para o gênero, Hellboy parece perfeitamente contente em ser apenas ok. E dados os gigantescos saltos que temos visto em tantas outras franquias nos últimos anos, isso chega a ser um pouco decepcionante. Caso tirem algo positivo desta bagunça profana, no qual o filme deixou uma brecha em uma cena pós-crédito, seria importante eles trazerem de volta Del Toro como produtor, pelo menos, pois sem ele temos esse longa gore e esquisito.


Nota para o filme: 3 / 5


Trailer:


SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

HELLBOY | Um reboot “desastroso” e “divertido”! (Crítica)

DARK PICTURES: MAN OF MEDAN | Confira o novo jogo dos criadores de Until Dawn!

MORTAL KOMBAT | Novo filme da franquia é oficializado e está a caminho!

BLACK MIRROR | 5ª temporada ganha trailer e data de estreia

MALÉVOLA 2 | Confira o primeiro trailer oficial do filme

TORMENTA20 | RPG Nacional bate recorde em financiamento coletivo

SAINT SEIYA: GALAXY SPIRITS | Novo game de Cavaleiros do Zodíaco chega ao Android – Saiba como baixar e jogar!

AMAZON PRIME VIDEO | Confira as novidades de maio no serviço de streaming

STAR TREK: PICARD | Amazon Prime Video e CBS fecham acordo de exibição internacional da nova série de Star Trek, com Sir Patrick Stewart

ANGRY BIRDS 2 | Confira a divertida cena revelada durante Festival de Cannes

GAME OF THRONES | Assista ao teaser do episódio final!

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Apresentador do Teekcast, gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Comente aqui!
Advertisement

Receba as novidades do Nerdtrip em seu e-mail!

Insira seu endereço de e-mail para embarcar nessa Viagem Nerd!

Mais lidos da semana


%d blogueiros gostam disto: