Connect with us

Críticas

HOMEM-ARANHA: DE VOLTA AO LAR | Crítica do Viajante!

Publicado

em

Novo filme do cabeça de teia fortalece os laços do herói com o público e nos entrega uma produção mais “espetacular” do que os últimos filmes do aracnídeo, entretanto, o longa acaba caindo no comodismo da “Casa das Ideias”.

Finalmente estreou o novo filme do Homem-Aranha. O “retorno ao lar” de um dos heróis mais populares se deu em grande estilo em uma historia simples, coesa e com os velhos vícios de um dos universos cinematográficos mais rentáveis atualmente, o MCU (Marvel Cinematic Universe/ Universo Cinematográfico da Marvel).

Nesta inédita aventura, temos finalmente um Peter Parker totalmente “raiz”. Nerd, inteligente, idealista, pobre e mega desajeitado em situações que lembram um típico adolescente de qualquer lugar nos sete cantos do mundo. Essa ambientação mais “teen” é o grande ponto alto do filme, toda a ambientação e a presença de alguns coadjuvantes em um ambiente high school moderno faz com que o personagem seja mais próximo de todos os espectadores.

A atuação de Tom Holland ajuda bastante no quesito Parker esquisitão, esse é um ponto que todo fã do aracnídeo gostou de ver e quando ele veste a sua roupa tech (inicialmente um incomodo, mas serve bem para a proposta do filme), vemos que o garoto tímido se solta em defender e tagarelar contra os bandidos mais diferentes que presenciamos. Claro que o lado heroísmo do personagem acaba se limitando essencialmente em um típico amigão da vizinhança, esse limite imposto pelo “senhor Stark” faz com que seu pupilo comece a soltar as suas asas para se aventurar em ambientes mais difíceis e essa limitação com um adolescente à flor da idade faz com que o filme seja ainda mais cômico e divertido.

Com toda essa evolução e descoberta de que se pode fazer coisas mais poderosas, o nosso cabeça de teia acaba se encontrando com um dos vilões mais bem trabalhados do MCU ultimamente. O Adrian Toomes do “espetacular” Michael Keaton é bem trabalhado e as suas motivações são claras e objetivas (é uma pena que Keaton assinou somente para este filme, mas se chover grana ele volta futuramente né?), em contrapartida, a “Stark dependência” que foi bem explorada no marketing é coesa e não incomoda como muitos pensariam, pois o personagem praticamente aparece uns 10 minutos no filme, suas aparições são objetivas (começo, meio e fim do filme praticamente!) e o personagem calejado acaba servindo como um “novo Tio Ben” para o Peter.

Com pontos legais, o filme acaba pecando no modo simples e seguro de apresentar o herói. Não temos cenas memoráveis e vibrantes, o filme acaba extraindo a formula consolidada da “Casa das Ideias” e essa tal formula que está ficando batida em alguns filmes acabou casando bem com o personagem, pois o Homem-Aranha é realmente bobo e cômico, um alivio e uma angustia que acabou se misturando também com a frustração pela falta de coragem da Marvel para desenvolver o seu universo cinematográfico.

O filme fica estagnado em acontecimentos pós Guerra Civil e as novidades adiante não aparecem, pelo jeito a Marvel está guardando mesmo tudo para Guerra Infinita e alguns easter-eggs são mais para o universo ultimate do personagem do que para o MCU (vários personagens da escola e a indicação de um tal sobrinho famoso que será um futuro herói é só algumas coisas que eu posso indicar, pelo jeito a Sony foi bem resistente em algumas decisões e isso fica perceptível).

Fora ainda, que a ligação da cena pós-crédito já é um gancho legal para a sequencia que já promete ser “espetacular” com um vilão que também será inédito nos cinemas, pelo menos a presença do Homem de Ferro no futuro do filme irá ser mais escassa (assim eu espero!) e o amigão da vizinhança vai explorar com mais liberdade o Queens e os “pequenos” arranha-céus da grande Manhattan, parabéns Marvel e Sony, um retorno primoroso e prestigiado com o que muitos fãs do cabeça teia queriam ver.

OBS: São duas cenas pós-créditos e a ultima é uma grande trollada que a Marvel dá com os fãs e vale a pena ficar até o final para descobrir!

NOTA PARA O FILME: 4 / 5

 

Sinopse:

Depois de atuar ao lado dos Vingadores, chegou a hora do pequeno Peter Parker voltar para casa e para a sua vida, já não mais tão normal. Lutando diariamente contra pequenos crimes nas redondezas, ele pensa ter encontrado a missão de sua vida quando o terrível vilão Abutre surge amedrontando a cidade. O problema é que a tarefa não será tão fácil como ele imaginava.

Trailers:

Se você já assistiu, o que achou do filme? Deixe a sua opinião e nota para o filme nos comentários!

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Apresentador do Teekcast e futuro youtuber, gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Críticas

SOMENTE O MAR SABE | Crítica do Don Giovanni

Publicado

em

 

A necessidade humana de realizar o extraordinário dita o tom da nova produção do Estúdio Canal em parceria com a BBC Films, baseada na história real do intrépido navegador amador Donald Crowhurst, que partiu para uma aventura sem precedentes, através da imensidão azul.

Dirigido por James Marsh (A teoria de tudo – 2014) o filme narra de forma biográfica, a jornada e o drama do marinheiro amador Donald Crowhurst (Colin Firth) e sua tentativa de completar a Corrida do Globo de Ouro do Sunday Times em 1968 (que consistia em dar a volta ao mundo em um pequeno barco sem parada alguma) deixando para trás sua esposa Clare Crowhurst (Rachel Weisz) e filhos.

 

 

Logo de cara nos identificamos com o personagem de Colin Firth (vencedor do Oscar de melhor ator pelo filme “O Discurso do Rei” de 2011), inevitavelmente somos magnetizados por ideias revolucionárias e sonhadoras, mas paralelamente a isso, termos a sensação de que Crowhurst, tem as “ferramentas”, mas nitidamente falta-lhe experiência para o trabalho. Isso dá ao personagem um tom verdadeiro e o aproxima do espectador. Essa coragem mesclada  a inocência e a inexperiência, fazem com que o público seja conduzido por todo primeiro ato, de forma curiosa, mas temerosa.

A competente Rachel Weisz (O legado de Bourne de 2012) como Clare Crowhurst , a devotada esposa que carrega o fardo da ausência do marido, tem pouco espaço na produção, deixando todo o foco central do longa, para o desastroso drama náutico do marido.

O clima documental do filme, que prima por realmente contar uma história “pé no chão”, pode decepcionar quem for assistir a produção, procurando grandes cenas de ação, com elaboradas tempestades criadas em CGI, porém, se você é daqueles que sempre buscou por uma grande aventura náutica, ou sonhou em desbravar o desconhecido, você pode tirar valiosas lições da jornada de Donald Crowhurst, que arriscou tudo por um desejo incontrolável de realizar o extraordinário, mesmo não tendo as habilidades necessárias para a tarefa.

 

Um filme que prima pela reflexão, fazendo o espectador reavaliar suas escolhas e suas motivações pessoais.

 

Nota: 3/5

 

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

TEEKCAST #41 | 10 anos de Universo Marvel nos Cinemas (Fase 03 e Expectativas para Vingadores: Guerra Infinita)

VINGADORES: GUERRA INFINITA | Contagem Regressiva (Falta 1 dia)

VENOM | Confira as 3 melhores histórias do vilão!

CHAVES/CHAPOLIN | Saiba quem serão os dubladores no plim-plim!

NOSFERATU | Protagonista do filme de 1922 era um vampiro de verdade?

 


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Continue lendo

Críticas

WESTWORLD | Estreia da segunda temporada – Episódio 01 – Crítica do Viajante

Publicado

em

Salve, salve tripulantes!!! Com o hiato de Star Trek: Discovery e de The Orville, estarei fazendo a crítica semanal de outra grande série de ficção atual: Westworld. Já deixo avisado que os textos podem conter SPOILERS. Dito isso, a continuação dessa leitura é por conta e risco do leitor.

Westworld estreou sua primeira temporada em outubro de 2016 e foi muita bem recebida por público e crítica. O enredo gira em torno de um gigantesco parque construído no meio de uma região desértica. Com a temática de faroeste, a atração contém centenas de andróides que simulam humanos e animais, e cuja programação é voltada totalmente para atender aos desejos de seus clientes, inclusive os mais sádicos e obscuros. Se o indivíduo é um psicopata com instintos de matar, torturar, estuprar ou destruir, ali é seu lugar. Em Westworld, todos esses “crimes” podem ser praticados, afinal são andróides sem inteligência ou vontade própria, apenas máquinas. Ou, pelo menos, era o que se pensava.

Os andróides, que são denominados “anfitriões” pela direção do parque, deveriam ter em suas programações narrativas com inúmeras variações para interagirem perfeitamente com os “convidados” (os clientes, em sua maioria milionários) independente do que esses fizerem. Porém, no transcorrer da primeira temporada, a mais antiga anfitriã de Westworld, Dolores (Evan Rachel Wood) através de uma código inplementado em seu cérebro artificial, adquire consciência própria e tem acesso às suas memórias completas (elas era apagadas diariamente) e acaba por comandar uma rebelião dos anfitriões. 

Por outro lado, outra anfitriã, a dona do prostíbulo de Westworld, Maeve (Thandie Newton), utilizando-se de outros meios (ela consegue coagir alguns dos funcionários humanos do parque) também consegue se libertar de sua programação comandando ao lado de outro andróide, Hector (Rodrigo Santoro), uma revolta paralela, essa dentro dos laboratórios do complexo. 

É nesse cenário de caos que se inicia a 2º temporada. Tanto nos laboratórios como no parque propriamente dito, vislumbramos corpos por todos os lados. Tanto de humanos quanto de anfitriões, em um retrato quase apocalíptico. Maeve tem um funcionário humano como refém e planeja, com sua ajuda, sair para o mundo real de vez. Já Dolores, ao lado de seu par romântico. o totalmente leal (por programação) vaqueiro Teddy (James Marsden), espalha sua vingança contra os humanos no parque, em atitude totalmente inversa á sua programação de origem que a tornava uma ingênua e otimista moça do campo. 

E auxiliando a equipe de segurança da Delos, empresa responsável pelo parque a tentar por ordem na casa, surge Bernard (Jeffrey Wright), que é o protagonista da série. Trata-se de um andróide que passou a vida inteira acreditando ser humano e trabalhando na manutenção e programação dos anfitriões. Ao final da primeira temporada, lhe foi revelada sua verdadeira origem, porém ninguém mais sabe disso. 

Devemos também nos lembrar que tudo não passa de um sutil plano do administrador Robert Ford (Anthony Hopkins) que planejou a própria morte no último episódio da temporada anterior, não sem antes introduzir uma nova e perigosa narrativa que retirou os protocolos que impediam os anfitriões de ferir ou matar humanos.

Por último, pudemos rever o personagem Homem de Preto (Ed Harris) que descobrimos ser a versão mais velha do jovem William (Jimmi Simpson), que outrora entrara em Westworld como convidado e que após se apaixonar pela anfitriã Dolores nunca mais deixou o parque perambulando por suas dependências como um velho cowboy. Sua aparição é rápida porém intrigante pelo fato de ele dialogar com um anfitrião criança que traz a voz de Ford e lhe avisa que a nova programação é um desafio a ele.

Na parte técnica, a segunda temporada não deixa nada a dever para a primeira. Os figurinos e cenários continuam impecáveis, assim como a ambientação externa e os efeitos especiais. Digno das produções da HBO que não abrem mão da qualidade visual.

O primeiro episódio foi morno, tratando-se apenas de uma reapresentação dos personagens e da trama após um ano e meio de hiato. É compreensível que isso ocorra e que nenhum fato mais relevante tenha ocorrido. Por isso mesmo não há muito o que falar sobre o mesmo. Tudo indica ser uma preparação para uma nova e instigante temporada onde, a julgar pelo material publicitário para o próximo episódio em que Maeve aparece vestida de samurai, iremos vislumbrar outras seções do parque que não a de faroeste. Além do shogunato japonês, que outros períodos históricos poderemos ter nessa segunda temporada de Westworld? E você, caro tripulante? O que gostaria de ver? Deixe sua opinião nos comentários.

Minha classificação leva em conta, como eu disse, a reapresentação ao público mas tenho certeza que subirá no decorrer da série:   

2,5 / 5

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

VERDADE OU DESAFIO | Crítica do Don Giovanni

MEMÓRIA TOKUSATSU | Esquadrão do Futuro Timeranger ou Power Rangers Força do Tempo?

YU-GI-OH! VRAINS | Confira a prévia e o título do episódio 49 


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

 

Continue lendo

Críticas

VERDADE OU DESAFIO | Crítica do Don Giovanni

Publicado

em

 

Jovens bonitos, lugares exóticos, curtição e hormônios a flor da pele, tudo isso regados a tequila, clichês e alguns sustos. Produzido pelo selo da Blumhouse  Productions  e distribuído pela Universal Pictures, a nova produção de suspense teen, dirigida por Jeffrey Clark Wadlow  (Kick-ass 2 – 2013) leva a tradicional e por que não “picante” brincadeira popular em todo mundo entre os adolescentes, as últimas consequências, quando um grupo de jovens ficam “presos” dentro de um interminável “jogo” macabro e sobrenatural de “Verdade ou desafio”.

Na trama, a jovem e centrada Olivia Barron, vivida pela atriz e cantora country Lucy Hale (Pretty Little Liars, Life Sentence) é convencida por seus amigos, a partir em uma viagem de despedida para a exótica cidade de Rosarito, no México. Chegando lá, Olivia acaba se envolvendo com um estranho, que os leva para dentro de um sobrenatural jogo de “verdade ou desafio”, onde uma entidade demoníaca começa a assombrá-los, matando  aqueles que se recusam a fazer os desafios, ou que respondem faltando com a verdade.

 

 

O primeiro ato da produção é recheado de clichês e alguns sustos infelizmente não funcionam, porém, o diretor consegue encontrar seu caminho a partir do segundo ato, onde o roteiro sabiamente,  aprofunda-se mais nos personagens, fazendo com que seus dilemas morais e pessoais, expostos na forma de “verdades” (segredos), sejam mais mortais e cortantes, que os “desafios” (consequências) impostos pela entidade.

Perto do terceiro ato, o diretor consegue criar uma atmosfera de tensão, que se estende até o final do filme, dando ares mais emocionantes a produção, que apesar de remeter a filmes como “Premonição”, pode agradar em cheio seu público alvo, por apresentar personagens de fácil identificação, com problemas reais relacionados a aceitação, fidelidade, homofobia, entre outros.

Lucy Hale, Violet Beane vivendo a melhor amiga de Olivia (Markie Cameron) e Hayden Szeto (Brad Chang), um jovem que esconde da família sua condição sexual, acabam se destacando entre os demais, por apresentarem dilemas e dramas mais pertinentes e profundos, que seus colegas de elenco.

Um filme que apesar do uso indiscriminado de clichês, consegue surpreender, tocando em assuntos polêmicos e problemas recorrentes do cotidiano dos adolescentes, fazendo com que o espectador se pergunte e se questione, sobre qual é a melhor escolha…

“Verdade ou desafio?”

 

 

Nota: 3/5

 

 

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

MEMÓRIA TOKUSATSU | Esquadrão do Futuro Timeranger ou Power Rangers Força do Tempo?

YU-GI-OH! VRAINS | Confira a prévia e o título do episódio 49

CONFABULANDO LETRAS | Como escrever um livro? (Parte 01)

MY HERO ACADEMIA | Confira o título e a prévia do episódio 4 da 3ª temporada de Boku no Hero

VINGADORES: GUERRA INFINITA | Contagem Regressiva (Faltam 4 dias)

QUE MERDA É ESSA? #02 | O Império Contra-Ataca

DRÁCULA DE BRAM STOKER | Misteriosa “Ordem dos Dracul” mencionada na produção realmente existiu

 


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Continue lendo

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: