Connect with us

Críticas

THE FLASH | 3º Temporada – Crítica do Viajante

Publicado

em

O terceiro ano de The Flash acabou. Ainda que essa season finale não tenha conseguido concertar todos os erros que o seriado teve durante a sua terceira temporada, o final deu uma ótima progredida ao se reconsiderar e pavimentar qual trajetória o seriado seguirá em seu quarto ano. O percurso foi longo, mas finalmente a linha de chegada foi atingida.

O capítulo da última semana deixou o Time Flash num cenário desanimador e obscuro, no qual Savitar obteve sucesso em alcançar sua meta ao assassinar Íris e assegurar seu nascimento quatros anos depois. O capítulo final foi rápido em mostrar que HR substituiu Íris, tendo se sacrificado ao utilizar a tecnologia transformadora, como já cogitávamos (como na review passada).

Ainda que a repetição de histórias nessa season tenha sido cansativa, o roteiro conseguiu novamente proporcionar uma boa solução, já que claramente é bem mais simples assassinar HR do que Íris, ainda mais levando-se em consideração que contamos com inúmeros Harrison Wells que podem ficar no lugar dele. Pode aparentar ter sido um plot twist sem inspiração do roteiro, mas o que o seriado iria ganhar com a morte de Íris? Já contamos com duas seasons nas quais Barry perdeu algum familiar. Fazer isso de novo somente afundaria a trama ainda mais num tom desesperador e sombrio, e se tem algo que essa terceira temporada deixou claro é que absolutamente essa não é a atmosfera correta para o seriado.  Os personagens estão necessitando de uma pausa e um motivo para terem esperança mais uma vez. HR cumpriu seu papel ao finalizar seu arco de maneira que proporcionou isso de novo para eles. Desta forma, poderemos contar com Harry retornando ao time no próximo ano, e não há porque reclamamos disso.

Com o assassinato de Íris evitado, não levaria muito para o paradoxo apagar a existência de Barry/Savitar. É a partir daí que o aparente deus da velocidade elabora um plano reserva, numa última ação desesperada para obter o desejado título divino. Foi instigante como esse capítulo foi centralizado no indivíduo sozinho e quebrado que se faz presente dentro da armadura, objetivando a humanização do principal antagonista dessa season. E isso repercutiu positivamente em Barry e Íris que, ainda que recentemente quase tiveram suas vidas estragadas, possuíram determinação para tentarem despertar a faceta bondosa ainda oculta dentro de Savitar. Barry ainda falou que encontra-se exausto de permitir que a raiva e o ódio ditem e motivem seus atos. Ele está preparado para trazer à tona suas esperanças e descobrir se o amor pode realmente obter alguma coisa. Como vocês podem ter percebido, foi visível o trabalho que o roteiro fez durante o capítulo para trazer de volta suas origens esperançosas e extrovertidas da primeira season, ainda a  melhor season do seriado e de todos os seriados da DC que são produzidos pela CW.

Ainda que tenham se esforçado, o trabalho de humanizar Savitar logo depois dele reafirmar seu título de antagonista ao causar a explosão do Star Labs com a Pedra Filosofal, soou como uma história e potencial desperdiçados. Independentemente dessa fraqueza de Savitar como antagonista para o ápice dessa season, o principal embate entre o time Flash e o time Savitar não decepcionou, ainda que tenha durado pouco.

Diferentemente das seasons passadas nas quais contamos com um velocista lutando com outro, aqui assistimos 3 integrantes da família Flash enfrentando Savitar além de dois viajantes de dimensões combatendo Killer Frost. Foi uma finale grandiloquente comparada com as anteriores, que ainda contou com uma breve participação do Black Flash, e a conclusão dessa batalha não poderia ter sido superior: Barry furta a armadura de Savitar e quase acaba se cedendo à raiva, que o faria acabar seguindo o destino como antagonista futuramente. Porém, sua faceta heróica não o permitiu cometer essa ação, possibilitando que Íris tivesse sua vingança e matasse Savitar. Foi uma cena mais do que merecida para a personagem que passou a segunda metade dessa season amedrontada por seu falecimento premeditado.

Esse capítulo também foi um dos mais positivos para a Killer Frost no seriado: Suas habilidades em luta, seu poder ao eliminar o Black Flash e auxiliando Savitar a atingir suas metas, e também sua sequência de redenção ao optar por Cisco e não Savitar. Devido ao bom roteiro, ela recusou a cura e optou descobrir sua própria trajetória da forma que encontra-se, entre seu lado maligno e bondoso. Após todas suas experiências, fazê-la usar a cura e retornar a sua forma inicial no seriado seria um desserviço muito grande para a personagem e esta foi escolha mais acertada. Será bastante instigante acompanhar o que a personagem terá de lidar a partir de agora, e o quanto ela ainda poderá evoluir e ficar mais poderosa.

Após todos esses eventos, ainda contamos com um último cliffhanger que pode ser a largada inicial do próximo ano. Com a soltura de Jay Garrick, a Força de Aceleração ficou instável sem a presença de um velocista, podendo fazer com que a cidade seja destruída e, até mesmo, o planeta. Barry escolhe então se sacrificar heroicamente pela última vez e voltar para a Força, prevenindo que tudo seja destruído. Essa foi a penitência e redenção de Barry por ter criado o Ponto de Ignição há alguns meses.

Antes de ir embora. ele deixa o Kid Flash responsável pela cidade. Temos conhecimento de que Barry não irá demorar para retornar na season seguinte, mas será divertido presenciar como será a interação entre Wally e Jay agindo na cidade. Ainda que tenha gostado muito de toda essa cena, que possuiu um visual sensacional, acredito que não tenha sido proporcionado o tempo necessário para esse acontecimento. Eram os últimos minutos do capítulo e, além disso, essa foi a grande conclusão do acontecimento que gerou todos os eventos dessa terceira temporada, porém tudo ficou apressado demais.

O terceiro ano de The Flash foi consideravelmente positivo e negativo com seus vários pontos bons e ruins. Os principais erros desta temporada foram:

a) A utilização de histórias reaproveitadas das temporadas passadas: Antagonista velocista e sua identidade misteriosa;  

b) O mau aproveitamento e desperdício de cenas e histórias que possuíam muito potencial: Ponto de Ignição, Kid Flash, Ataque dos Gorilas em Central City e a atmosfera mais pesada da história.

Paralelamente a isso, o roteiro conseguiu proporcionar certas coisas surpreendentes e arrumar alguns defeitos, entre eles: Killer Frost, tudo ligado a linha temporal futura e a revelação de Savitar. Isso sem mencionar a evolução que a season obteve em seus cinco últimos capítulos, resultando na conclusão impactante que esse ano necessitava.

Esta season finale não apenas definiu alguns rumos para seu próximo ano ao almejar o retorno de uma atmosfera mais descontraída, como deu dicas de seu antagonista seguinte. Há uns episódios atrás, Abra Kadabra mencionou a lista de antagonistas que o Flash já combateu futuramente, entre eles o Flash Reverso, Zoom, Savitar e DeVoe. Neste capítulo, quando encontram-se numa sala do STAR Labs, Barry/Savitar fala que foi naquele local que pensaram na ideia de um inibidor cerebral para utilizar contra DeVoe.

Nas HQ’s, Clifford DeVoe é “O Pensador”,  um antagonista que utiliza força mental e é capaz de dominar outras tecnologias. Essas menções combinam com o pronunciamento do produtor executivo Andrew Kreisberg que declarou que na nova season não teremos um antagonista velocista. Agora o jeito é aguardarmos até o fim do ano para sabermos se trata-se dele mesmo ou de outra pessoa. Porém, o verdadeiro questionamento é quanto positivamente o seriado consegue estabelecer um herói no afastamento de Barry e por qual período de duração. Novamente, uma season inédita possui um potencial imenso, resta descobrirmos se conseguirão aproveitar a chance e trabalhar uma grandiosa trama para o nosso protagonista. Até outubro chegar, somente podemos rever nossos capítulos prediletos do seriado.

 NOTA PARA A SÉRIE: 4 / 5

Easter Eggs:

– Quando Barry relembra um momento de quando era criança para Savitar, ele menciona que encontrava-se se dirigindo para uma exposição científica em Midway City. Essa é a cidade do casal Gavião Negro e Mulher-Gavião. Os dois foram introduzidos no segundo ano de The Flash para posteriormente ingressarem no elenco de Legends of Tomorrow.

– Nessa mesma lembrança, ele relembra que no trajeto o pneu do automóvel de seus pais furou e foram obrigados a passarem o dia em Masonville. Flash menciona esta cidade e é surpreendente, já que ela existe em uma exclusiva e específica trama do Superman entre o universo inteiro da DC Comics. Em Superman Vol. 1 #388, Superman passa o dia com um jovem menino chamado Mikey Norris. Pelo menos temos conhecimento de que o Superman existe no universo televisivo da CW, na Terra da Supergirl.

– O assassinato de Savitar homenageou o falecimento  do personagem Pollux, do seriado The Flash dos anos 90. No capítulo “Twin Streaks”, Pollux, que trata-se de um clone do Flash, coloca-se na frente de Barry e é acertado por uma bala. Ao falecer, ele evapora. Este também foi o como o vilão Rival morreu no primeiro capítulo desta season, quando Joe atira nas costas do antagonista. Além do Flash Reverso ter morrido de maneira semelhante na animação do Flashpoint.

Referências Nerds de Cisco Ramon:

1 – Cisco chama Savitar de Duas-Caras devido a sua face queimada, referenciando o antagonista Harvey Dent do Batman (uma referência ligeiramente complicada ao se levar em consideração que ele também é um personagem da DC e, ao que parece, não faz parte do mesmo universo do seriado).

2 – “Pode reverter a polaridade do fluxo de nêutrons?” Essa é uma frase que ficou conhecida com o terceiro Doctor (John Pertwee) no clássico seriado Doctor Who.

Deixem os seus comentários.

Deixe seu Comentário!

A NerdTrip teve seu início no ano de 2016 com a missão de levar entretenimento, notícias, resenhas e tudo sobre o universo pop/nerd/geek. “Uma ideia na cabeça, talento e vontade em nossas mãos!”

Críticas

LOVE | Série termina com chave de ouro. Crítica da 3ª temporada

Publicado

em

Foto: Mickey e Gus. Love. Netflix ©.

Com um pouco de atraso após o final da 3ª temporada (e última) da série “Love”, dirigida  pelo competente Judd Apatow para a Netflix, chegamos hoje para falar um pouco sobre essa temporada e também da série como um todo.

Love parte de uma premissa simples, mostrar o cotidiano de Mickey (Gillian Jacobs) e Gus (Paul Rust), que apesar de possuírem grandes diferenças de personalidade, acabam se envolvendo e se apaixonam. Enquanto Mickey passa a ideia da moça bonita que tem tudo para alcançar o sucesso na vida, Gus é o nerd certinho que batalha para conseguir atingir seus objetivos.

Mas essa análise superficial de ambos, é bastante rasa para definir suas personalidades, que vamos conhecendo ao longo de cada uma das três temporadas que levaram a série para seu desfecho, muito bom por sinal.

Antes de começarmos a falar sobre a 3ª temporada especificamente, confere a nossa crítica da 2ª temporada de Love!

Mickey. Love. Netflix ©.

A 3ª temporada de Love é dedicada a desenvolver o relacionamento de Mickey e Gus. Agora os dois resolvem assumir de fato o namoro e começar a dar passos para seguir ainda mais adiante. Mickey conhece a família de Gus e eles cogitam até mesmo morar juntos. 

Na vida profissional, ambos passam por momentos importantes. Enquanto Mickey começa a se destacar na rádio onde trabalha, Gus investe em seu sonho de virar roteirista, convidando alguns amigos para o ajudarem nessa empreitada.

O desenvolvimento dos coadjuvantes também merece ser mencionado, uma vez que Bertie (Claudia O’Doherty), a colega de quarto de Mickey, continua a ganhar tempo de tela e seu relacionamento com Randy (Mike Mitchell) vai se mostrando cada vez mais fadado ao fracasso, na medida em que ela se aproxima de Chris (Chris Witaske). 

A evolução de Gus e Mickey ao longo da série é algo muito legal de se ver. Mickey, que aparentemente era a “donzela em perigo” a ser salva pelo “cavaleiro” Gus, com todos os seus erros e defeitos, consegue evoluir bastante e se mostra muito pronta para o próximo passo de suas vidas, conseguindo a cada dia vencer seus vícios, se tornando uma pessoa mais plena.

Já Gus é desconstruído e consegue, muito por conta de Mickey, se encontrar. Seus defeitos ficam mais evidentes, como os ataques de raiva e sua insegurança. Finalmente o vemos tomar as rédeas disso, para assim ter um futuro com Mickey.

Além de bons personagens, tanto os protagonistas quanto os coadjuvantes, Love tem um bom roteiro e os episódios são bem estruturados. A química entre Paul e Gillian continua afinadíssima, e suas discussões são tão imersivas e realístas, que nos vemos na pele de Gus e Mickey. A trama é tão fechadinha que mal vemos o tempo do episódio passando, e o que falar dos episódios finais… Love tem um desfecho realizado com chave de ouro, e nos mostra que nem todo casal é perfeito, mas que juntos, eles podem se tornar perfeitos um para o outro!

Nota: 4/5

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK:  facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM:  instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE:  www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

OS CAÇADORES DA ARCA PERDIDA | Um dos filmes mais importantes da história do cinema

O PLANO IMPERFEITO | Gostar porque sim. Amar apesar de…

MY HERO ACADEMIA | Confira a prévia e o título do episódio 12 da 3ª temporada de Boku no Hero Academia

NANATSU NO TAIZAI | Confira o título e a prévia legendada do episódio 23 da 2ª temporada de Os Sete Pecados Capitais

DO JEITO QUE ELAS QUEREM | Crítica do Don Giovanni


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Deixe seu Comentário!

Continue lendo

Críticas

O PLANO IMPERFEITO | Gostar porque sim. Amar apesar de…

Publicado

em

O Plano Imperfeito é a mais nova comédia romântica que estreou dia 18 deste mês de junho na Netflix.  Conta a história de Harper (vivida por Zoey Deuth), uma garota super esforçada que sonha em ser uma redatora de peso na empresa em que trabalha. O problema é que sua chefe é uma mulher praticamente casada com o trabalho e obcecada por sua carreira, fazendo com que sua assistente durma e se divirta menos do que gostaria (ou quase nunca).

Por coincidência, em uma dessas noites em que ficava até tarde no trabalho seguindo ordens, Harper encontra Charlie (protagonizado por Glen Powell) em um momento bem embaraçoso após o entregador da comida dizer que só aceitava dinheiro e a garota estava apenas com cartões de crédito para o pagamento. Depois muita discussão os dois recém conhecidos acabam dividindo a comida para levar aos respectivos chefes igualmente abusivos e obcecados por trabalho.

Os dois jovens constroem uma relação de amizade descobrindo que suas vidas tem muito em comum e que seus chefes precisam mesmo é namorar, com isso consequentemente voltariam a viver suas vidas de uma maneira normal. Nasce então a elaboração de um plano que os leva a um completo desastre, mas eles não vão desistir até conseguirem ser dignos de tirarem pelo menos um merecido cochilo em suas horas vagas.  

O longa é divertidíssimo sem ser forçado e embora clichê, conseguimos rir de situações cotidianas muito engraçadas. Já estamos acostumadas com o carisma e graça da estrela Lucy Liu que desempenha com maestria o papel da chefona sem coração. Sendo bem sincera, está longe de ser uma das comédias românticas que vão ficar pra história. Apesar do enredo interessante, há situações que se estendem demais sem necessidade, além do final bastante previsível. No entanto, é um bom filme pra os dias em que se quer assistir algo despretensioso com ótimas atuações e cenas que arrancam risadas, com casais fofos e toda aquelas histórias de amor que tem tudo pra dar certo… ou não.

Uma produção original da  Netflix com a direção de Claire Scanlon.

Elenco principal:

  • Glen Powell Charlie
  • Lucy Liu Kirsten
  • Taye Diggs Rick
  • Zoey Deutch Harper
  • Aaron Costa Ganis Dan

 

Nota: 3,5 / 5.

Sinopse:
Harper (Zoey Deutch) e Charlie (Glen Powell) trabalham como assistentes para dois executivos em Manhattan. O temperamento e a dinâmica de seus chefes, transformam suas vidas em um verdadeiro inferno. Desesperados e exaustos, os dois jovens se juntam para elaborar um plano um tanto quanto ousado: fazer com que os seus superiores se apaixonem e, dessa forma, fiquem mais tranquilos em relação ao trabalho

 

Deixe seu Comentário!

Continue lendo

Críticas

DO JEITO QUE ELAS QUEREM | Crítica do Don Giovanni

Publicado

em

Por mais que Hollywood viva de clichês quando se trata de comédias românticas, de tempos em tempos nos deparamos com filmes que conseguem sair da mesmice do gênero, apresentando temas interessantes, desafiando o público a expandir suas ideias, para quebrar tabus e descobrir que nunca é tarde para viver a vida em toda sua plenitude.

 

Dirigido pelo estreante Bill Holderman, que também assina o roteiro ao lado de Erin Simms, “Do Jeito que Elas Querem” conta a história de quatro amigas de longa data, que participam de um clube do livro, onde cada uma sugere uma obra mensalmente. Vivian (vivida pelo ícone Jane Fonda) uma mulher bem sucedida e que sempre prezou por sua independência, escolhe para o grupo o apimentado e libertador “Cinquenta tons de Cinza”, que imediatamente cai no gosto de todas, despertando fantasias, prazeres e desejos, há muito tempo esquecidos.

 

Com um roteiro simples e um elenco de peso, a produção consegue surpreender ao construir uma trama atual, totalmente com atores acima dos 60 anos, apresentado de uma forma divertida, todos os dilemas, medos e inseguranças, comuns nessa delicada parte da vida.

 

 

 

Diane Keaton como Diane, vive uma viúva que é sufocada pela superproteção das filhas, até que conhece Mitchell (Andy García) um charmoso piloto de avião, que literalmente está disposto a leva-la as alturas. Candice Bergen é Sharon, uma juíza federal que desde sua separação há 15 anos, não se relacionou com mais ninguém, mas parece que uma conta de namoro on-line pode reacender uma antiga chama esquecida. Mary Steenburgen dá vida a Carol, uma esposa frustrada sexualmente após a recente aposentadoria do marido, mas que ao se deparar com as peripécias de Christian Grey e Anastácia Steele, percebe que nunca é tarde para novas experiências. Em meio a todas essas descobertas, Vivian reencontra Arthur (o eterno Miami Vice Don Johnson) um grande amor do passado, que não poderia aparecer em momento mais oportuno.

 

Com todos esses “novos hormônios” em ebulição, atiçados e estimulados pelos eróticos momentos do “quarto vermelho”, essas quatro mulheres estão prontas para despertar e descobrir que o amor e o sexo não tem idade e que nunca é tarde demais para redescobrir e perseguir prazeres que lhe foram negados a bastante tempo.

Inevitavelmente, ao longo da produção nos questionamos sobre escolhas, sobre ilusões, sobre verdades pessoais, sobre envelhecimento. Estamos preparados para isso?

Estamos fazendo as escolhas corretas, ou estamos deixando passar momentos preciosos que definirão nosso futuro?

Se um filme, independente do seu gênero, consegue fazer você se questionar dessa forma, não há como negar que a arte cumpriu sua diretriz básica e que a produção conseguiu de forma muito competente, fazer um papel inclusivo, de autoajuda e de entretenimento, o que é sempre muito bem vindo.

 

Pontuação de 0 a 5

 

 

Nota: 3

 

 

 

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK:  facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER:  twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM:  instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE:  www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

Don Giovanni Responde #16 | Dicas de HQs Marvel, DC e Vertigo

BORUTO: NARUTO NEXT GENERATIONS | Revelados título, prévia e spoilers do episódio 62

21st CENTURY FOX | Comcast oficializa lance de 65 bilhões pelos estúdios

E-SPORTS | As primeiras lendas da categoria

 


Studio Geek – Os Melhores Produtos da Cultura Pop, Geek e Nerd.

Deixe seu Comentário!

Continue lendo

Deixe seu Comentário!

Advertisement

Receba as novidades do Nerdtrip em seu e-mail!

Insira seu endereço de e-mail para embarcar nessa Viagem Nerd!

Advertisement

Mais lidos da semana

%d blogueiros gostam disto: