Connect with us

Críticas

WESTWORLD | Crítica da segunda temporada de mais uma obra-prima da HBO

Publicado

em

 

Imagem Promocional HBO®

Em 1973, o (ex)médico, escritor, roteirista e diretor, Michael Crichton escreveu e dirigiu uma obra de ficção científica de sua autoria e concepção, estrelada pelo superstar da época, o ator russo-americano conhecido pela sua lustrosa careca, Yul Brynner (O Rei e Eu, Anastasia, o primeiro Sete Homens e um Destino).

O filme se chamava Westworld (Westworld: Onde Ninguém Tem Alma, no Brasil) e contava a história de um parque de diversões para adultos que reproduzia situações da Roma Antiga, da Idade Média e do Velho Oeste norte-americano, no qual androides atuavam e “morriam” para o divertimento dos visitantes. Só que um problema acontece e os “robôs” passam a ter consciência e, contrariando sua programação, começam a ferir e a matar os seres humanos que foram ao local se divertir.

Era uma obra “menor”, com efeitos especiais medianos (uma vez que 2001: Uma Odisseia no Espaço – com sua revolução nos efeitos visuais – havia estreado 5 anos antes); mas a premissa era inegavelmente sedutora, afinal, desde a citada obra de Stanley Kubrick, e o início da utilização mais ostensiva de computadores, havia um enorme medo de que as máquinas tornassem o homem obsoleto (isso se ele não se autodestruísse com a bomba atômica! Mas, pensando bem, hoje em dia não está muito diferente….).

A premissa, na verdade, era tão interessante que rendeu uma desconhecida (e esquecível) continuação no cinema – Futureworld (1976) – e uma também fraquinha série televisiva chamada Beyond Westworld (1980).

Capas promocionais

Bem na sua característica de recriar coisas ou prestar homenagem aos seus ídolos, J. J. Abrams (Missão Impossível III, Star Wars VII: Despertar da Força) produziu – com a ajuda dos roteiristas e desenvolvedores, Jonathan Nolan (irmão do Christopher!) e Lisa Joy – a nova série televisa da HBO, Westworld, a qual viria a estrear em outubro de 2016, estrelada por vários atores de primeira linha de Hollywood, como o oscarizado “Sir” Anthony Hopkins (O Silêncio dos Inocentes) no papel do Dr. Robert Ford; Ed Harris (A Rocha), como William-“Man in Black” (que não tem nada a ver com o humorístico filme homônimo sobre et’s); James Marsden (X-Men) como o androide Teddy Flood; Thandie Newton (Missão Impossível II) como a anfitriã Maeve Millay; a “estrela” da série, Evan Rachel Wood (Aos Treze), como a bela robô Dolores Abernath; e até o brazuca Rodrigo Santoro atuando como o cowboy Hector, um dos principais personagens (ainda que secundários) da trama.

Imagens com cenas das 1ª e 2ª temporadas de Westworld – HBO®

Lembro que, como fã inquestionável (e até o ano que vem órfão) de Game Of Thrones, torci o nariz para a proposta da série, mas eram tantos os bons atores, foi tão bem vendida e anunciada pelo canal de televisão pago, e possuía tantos atrativos (entre eles uma trama verdadeiramente adulta, com violência gráfica, nudez e sexo), que resolvi dar uma chance para o programa.

Sorte a minha!

A série se mostrou uma das coisas mais inteligentes já feitas para a televisão mundial e, apesar de sua inspiração num material já veiculado em outras mídias, extremamente original, inventiva e, principalmente, corajosa.

Muito bem dirigida, com efeitos especiais de primeiríssima linha e atuações marcantes – com destaque para o ótimo ator Jeffrey Wright(Jogos Vorazes II) e seus personagens, Arnold e Bernard Lowe – o primeiro ano de Westworld pode até ser acusado de ter abusado um pouco da nudez dos atores (o que não concordo, uma vez que praticamente todas as cenas tinham um contexto para isso), mas terminou seus 10 episódios deixando um gostinho de “quero mais”.

Com um intervalo em 2017, a segunda temporada chegou em 2018 de forma arrebatadora!

Jeffrey Wright em cena da 2ª temporada de Westworld – HBO®

(ALERTA DE SPOILERS!! Se vc não viu ou não quer saber detalhes da trama, pare de ler por aqui!!!!!)

Abusando (no bom sentido) da utilização de linhas temporais diversas (principalmente no fabuloso arco de Bernard), de subtramas interessantíssimas (como a imersão no universo Shogun), de episódios isolados belíssimos (como o oitavo, focado no índio Akecheta, vivido por Zahn McClarnon), a segunda temporada de Westworld não subestima a inteligência de seu telespectador, não tem medo de flertar com o lírico (como no episódio acima mencionado ou na cena de suicídio do androide Teddy Flood), com o escatológico (com suas cenas de violência, escalpelamento etc.), com o bizarro, tudo, porém, de forma altamente elegante, com brilhantes interpretações tanto do elenco principal como no de apoio.

Imagens de cenas da 2ª temporada de Westworld – HBO®

O último episódio, então, é um deleite de mortes (de vários personagens principais, inclusive), reviravoltas (o engodo realizado por Bernard é fantástico), e de revelações…

Aliás, o mais sensacional foi a coragem dos roteiristas de subverterem o enredo da trama: se no filme que deu origem à série e na primeira temporada, achávamos que o parque servia apenas para que humanos ricos e entediados dessem vazão a seus piores instintos, neste segundo ano ficamos sabendo que o parque é, na verdade, um enorme e sofisticado laboratório, onde os humanos não passavam de “ratos”, sendo “lidos” e “catalogados” para fins de pesquisa em busca da “imortalidade”. Os androides eram modelos de corpos para que os humanos um dia pudessem viver infinitamente, uma vez que suas mentes seriam “transplantadas” para corpos como os dos “anfitriões”; e também seriam “estimulantes” para a “verdadeira essência” dos humanos, a fim de permitir uma melhor “leitura” destes. Genial.

Outra inversão corajosa foi transformar a bela e “doce” Dolores da primeira temporada, a princípio numa anti-heroína e, ao final, como uma verdadeira vilã “niilista”, absolutamente voltada para a destruição de tudo e de todos (humanos e androides).

Ed Harris e seu “Homem de Preto” (emulando o personagem de Yul Brynner no filme de 1973) é detestável e desprezível na sua incessante busca pelo limite do parque (metáfora para seu próprio id humano).

Aliás, a visão acerca dos humanos não podia ser pior: seríamos incapazes de mudar nosso modo de ser, por conseguinte, nossas escolhas e, em decorrência, nossos destinos.

Enquanto o velho DelosPeter Mullan (Harry Potter) – não consegue ser misericordioso com seu filho rico, mimado e viciado, Logan Ben Barnes (Justiceiro) –, a ponto de levá-lo à morte por overdose; o William de Ed Harris não hesita em matar a própria filha, Grace – interpretada por Katja Herbers –, “querendo” acreditar que ela não passava de um androide, e é tão cruel com a esposa que provoca seu suicídio; e a Tessa Thompson de Charlotte Hale (Thor Ragnarok) – bem como todo a equipe “de salvamento” da empresa Delos – sacrifica sem qualquer pesar dezenas de humanos e centenas de anfitriões para proteger os interesses corporativos de sua empregadora; os androides, em contrapartida, são capazes de optar por romperem com sua programação, agirem de forma inesperada e inovadora e, como Maeve, de se sacrificarem pelo amor de uma filha que sequer se lembrava dela.

Imagens de cenas da 2ª temporada de Westworld – HBO®

Ao final, muitos dos personagens principais estão aparentemente muito bem “matados”, como Maeve, Hector e Teddy, por exemplo, o que abre uma perspectiva interessantíssima para uma suposta terceira temporada.

Robert Ford vive como uma consciência no banco de dados do parque (assim como muitos androides conseguiram partir para um banco de dados tipo Matrix, em que, mesmo sem terem mais “corpos”, podem viver “livres” e serem felizes); e William aparentemente também morre após seus inúmeros ferimentos, passando – seria no futuro? – a muito certamente sobreviver num corpo androide, vivendo intermináveis vezes numa simulação, na busca pela “fidelidade” à sua contraparte humana (a expressão do personagem ao se dar conta de estar repetindo um padrão há milhares de vezes me fez lembrar imediatamente do mito de Sísifo e sua punitiva eterna pedra rolante no Tártaro grego).

Dolores continua sua missão de destruição, carregando consigo o “código fonte” de mais ou menos 5 anfitriões (que não são revelados), mas como uma “boa mãe” ressuscita seu “filho” Bernard, para que este se lhe oponha.

São muitas as possibilidades abertas pelos criadores.

A série tanto pode ter acabado ao final dessa excepcional temporada, como pode ganhar mais um ou dois anos de sobrevida.

Mas mesmo que tenha se encerrado aqui, cumpriu seu papel de entretenimento de alto nível, na forma de uma excelente produção televisiva.

Pontuação de 0 a 5
 
  
Nota: 4,5
 
 
SIGA-NOS nas redes sociais:

 

Críticas

ELSEWORLDS | O crossover das séries de super heróis da CW – Crítica

Publicado

em

Olá tripulantes, como sabemos, todos os anos a CW faz os famosos crossovers das séries de super heróis para ter uma interação entre os atores. Tudo começou na 2º temporada de Arrow com a aparição de Barry Allen. Depois tivemos com Flash, a criação das Lendas do Amanhã, depois o surgimento da Supergirl, Invasão e por último, no ano passado, tivemos a Crise na Terra X com uma pequena base no clássico dos HQs “Entre a Foice e o Martelo.

Esse ano a CW inovou com o Elsewords. Tivemos a aparição do Monitor, tivemos a aparição da Batwoman (amei a Ruby Rose como Kathy Kane). Ao final dos episódio 8 de Arrow e Flash temos a terra 90 (baseada nos heróis dos anos 90). Barry acaba sendo arrastado e indo encarar o monitor (John Wesley Shipp revivendo o papel de Barry Allen). A história começa com tudo do mesmo jeito em que terminaram os episódios, exceto que agora Oliver Queen é Barry Allen e vice-versa. Somente os 2 tinham essa consciência, o mundo todo estava confuso. Eles então fogem pra Terra 38 pra encontrar Kara e conhecem Clark Kent e Lois Lane ( o que eu mais queria ver:  Oliver e Barry conhecendo o Superman), e achei mega legal a interação deles.

Depois de se conhecerem eles voltam para Terra 1 e conhecem AMAZO, um robô das industrias Ivo ( pra quem não se lembra amazo era o nome do barco em que estavam Sarah Lance e o Anatoly na 2 temporada de Arrow, e Ivo era o doutor que estava morrendo lá). No final dessa luta Cisco vibra e vê o Monitor entregando o livro do destino para um homen ( John Deegan, médico do Asilo Arkham) e altera a história. Termina o 1 episódio eles indo pra Gotham. O mais legal disso é o Oliver não acreditar no Batman e achar que ele é uma lenda com tudo apontando a existência dele, até mesmo com o Bat-Sinal e eleinsistindo  que era um mito. Eles conhecem a Kathy Kane que alega ser prima de Bruce Wayne, e que omesmo saiu da cidade há 3 anos. O legal aqui é como ela é introduzida e como agem de maneira muito legal. Depois eles vão pro asilo pra pegar o tal livro do destino, pois o Barry da terra 90 diz que só o mesmo corrigiria tudo. Após estarem de posse do objeto eles voltam pra base da ARGUS  e   então encontram o Flash da Terra 90, que a princípio acham que é Joel Ciclone ( nome muito mais legal que Flash da terra 3) que acaba tendo que esclarecer quem realmente é e revela que  John Diggle era um membro da tropa dos Lanternas Verdes. Os 4 vão de frente ao encontro com o Monitor que além de enviar Barry de volta pra Terra 90, recupera o livro e devolve para fazendo com que tudo mude novamente e Oliver e Barry agora são criminosos conhecidos como os gênios do Gatilho.

No começo do 3º e último episódio vemos o Superman com uniforme preto e meio que dominador, mas em poucas palavras já sabemos quem é o Superman facista. Oliver e Barry são bandidos e Kara esta presa no Star Labs. Oliver e Barry conversam com o Monitor e encontram uma maneira de resolver tudo. Rumam para a terra 38 e trazem consigo o Superman. Há uma grande briga e Kara recupera o livro do destino e entrega ao Superman que a retorna á identidade de Supergirl, Barry como Flash e Oliver como Arqueiro Verde. Nova briga e eis que surge no meio da batalha Brainiac 15, Lois Lane com um martelo e Ajax ( odeio o nome Caçador de Marte) na terra 1 que depois de resolverem tudo, voltam pra terra 38, a realidade é concertada e no final Batwoman ainda liga pra Oliver e diz que tudo ainda não acabou e que virá ainda uma Crises nas Infinitas Terras.

Bom o que eu tenho a dizer é que foi o melhor crossover que eu vi na vida. Adoro o Superman da CW. Ele tem muitos pontos do Superman dos quadrinhos. A referência ao HQ “Melhores do Mundo” que a Kara faz com a Kathy, as cenas do Oliver com os poderes do Barry estavam hilárias demais. Parabéns à CW. Esse foi o Maior Fã service de todos e minha nota :

5 /5

 


SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

FALLOUT: NEW VEGAS | Político e cheio de escolhas, mostra como se mexe em um tema espinhento

HOMEM-ARANHA: NO ARANHAVERSO | Simplesmente espetacular! – Crítica do Don Giovanni

INSPETOR BUGIGANGA | Série de 1983 terá maratona interativa via Twitch – Confira detalhes

FAR CRY: NEW DAWN | Confira o trailer de anúncio do próximo jogo da franquia da Ubisoft

LANGUINIS | Game mobile que ajuda a expandir seu vocabulário recebe atualização com várias novidades

GODLY CORP | Conheça o incomum simulador onde você é um estagiário onipotente

CRÔNICAS DA MAGIA PROFUNDA | Diggory e a palavra que não poderia ser dita (Capítulo 2 – O Vigia da Terra)

AQUAMAN | Crítica em vídeo com Aline Giugni & Don Giovanni

SAINTIA SHŌ | Spin-off de Cavaleiros do Zodíaco protagonizado por guerreiras faz sua estréia, saiba mais sobre a adaptação!

METAL GEAR SOLID: THE BOARD GAME | Konami anuncia jogo de tabuleiro baseado na franquia de Solid Snake

PRODUCE 101 | Mnet revela teaser para a próxima temporada do reality!

KPOP | Primeira SMTOWN da América Latina traz grandes astros da música Sul-Coreana!

Continue lendo

Críticas

HOMEM-ARANHA: NO ARANHAVERSO | Simplesmente espetacular! – Crítica do Don Giovanni

Publicado

em

 
 
 
Após os rumores de que a Sony pode “caminhar com suas próprias pernas” depois de “Homem Aranha: Longe de Casa” (colocando um fim na parceria com a Marvel Studios) os fãs do “cabeça de teia” ficaram preocupados (e com razão) com o futuro cinematográfico do “escalador de paredes”. Mas se isso realmente se concretizar, a nova animação “Homem Aranha no Aranhaverso” produzida pela Columbia Pictures e Sony Pictures Animation, pode indicar que o estúdio aparentemente aprendeu com os erros do passado e está pronto para retomar o controle criativo da criação máxima de Stan Lee.
 
 
 
Diferente de Venom e dos filmes de Andrew Garfield “Homem Aranha no Aranhaverso” consegue sintetizar de forma “espetacular” toda a essência, o humor, a aventura e o heroísmo do personagem mais importante da “casa das Ideias”. Usando uma narrativa idêntica as das historias em quadrinhos (com direito a onomatopeias e balões de pensamentos), a animação dirigida por Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman, surpreende pela qualidade do roteiro (extremamente bem amarrado, dinâmico e ousado) pela maravilhosa técnica de animação (que produzem lindas imagens e cenas de ação de tirar o fôlego) e por apresentar a versão mais próxima das “Hqs” do “amigão da vizinhança”.
 
 
 
 
Com o intuito de trazer sua esposa Vanessa e seu filho Richard de volta a vida, Wilson Fisk financia um aparato tecnológico capaz de criar uma “fissura” entre as dimensões para encontrar uma espécie de “contraparte” de sua falecida família. A insanidade do “Rei” causa um colapso nas dimensões (que pode ser sentido a todo o momento quando imagens em primeiro e segundo plano ficam fora de foco por alguns segundos) causando o encontro de vários “homens aranhas” de universos distintos. Somos apresentados então ao jovem Miles Morales, de origem porto-riquenha e afro-americana. É impressionante como Morales precisa de muito pouco tempo de tela para conquistar o espectador. Carismático e descolado no Brooklyn, o garoto que irá se tornar o novo Homem Aranha, é um adolescente comum, como qualquer outro, que tenta suprir as expectativas geradas por seus pais, enquanto se adapta a uma nova realidade, a uma nova escola. Ao lado de suas outras contrapartes que incluem a versão clássica dos quadrinhos (o verdadeiro, porém mais velho e sedentário), Spider-Gwen, o Homem Aranha Noir (dublado por Nicolas Cage) e até mesmo Peter Porker, uma versão dos anos 80 pra lá de bizarra (Porco-Aranha), o novo “amigão da vizinhança” deve impedir a destruição de todas as realidades, além de aceitar seu destino.
 
 
Se não bastassem a ótima história e os divertidos personagens, o longa animado ainda presta diversas lindas homenagens que vão desde as Hqs do herói, ao clássico desenho animado dos anos 60, aos filmes de Sam Raimi e até mesmo a versão de Tom Holland de Guerra Infinita. Uma declaração de amor ao “teioso” com direito a uma emocionante participação de Stan Lee e um lindo tributo a Steve Ditko.
 
 
Ou seja, se a Sony seguir seu próprio caminho com o Homem Aranha, essa nova produção é uma prova de que com as pessoas certas, Peter Parker ainda pode render deliciosas e mágicas aventuras, mesmo sem a batuta da Marvel Studios. Que venham mais animações de Morales e cia, os fãs do aranha agradecem.
 
 
 
 
P.S – A cena extra é épica e nostálgica.
 
 
 
 
Pontuação de 0 a 5
 
 
Nota: 5

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

KPOP | Primeira SMTOWN da América Latina traz grandes astros da música Sul-Coreana!

SEVENTEEN | Grupo Sul-Coreano retorna com um conceito Dark no teaser do MV ”Getting Closer”

PRODUCE 101 | Mnet revela teaser para a próxima temporada do reality!

FAR CRY: NEW DAWN | Confira o trailer de anúncio do próximo jogo da franquia da Ubisoft

LANGUINIS | Game mobile que ajuda a expandir seu vocabulário recebe atualização com várias novidades

AVRIL LAVIGNE | Nova música tem referência de Aretha Franklin e outras rainhas atemporais

GODLY CORP | Conheça o incomum simulador onde você é um estagiário onipotente

CRÔNICAS DA MAGIA PROFUNDA | Diggory e a palavra que não poderia ser dita (Capítulo 2 – O Vigia da Terra)

AQUAMAN | Crítica em vídeo com Aline Giugni & Don Giovanni

SAINTIA SHŌ | Spin-off de Cavaleiros do Zodíaco protagonizado por guerreiras faz sua estréia, saiba mais sobre a adaptação!

METAL GEAR SOLID: THE BOARD GAME | Konami anuncia jogo de tabuleiro baseado na franquia de Solid Snake

HALLOWEEN | Terror sem frescuras, clássico e que traz Michael Myers à ativa!

Continue lendo

Críticas

AQUAMAN | Crítica em vídeo com Aline Giugni & Don Giovanni

Publicado

em

Acompanhe nossos audaciosos mergulhadores Don Giovanni & Aline Giugni  em mais uma divertida crítica em vídeo. Bem vindo a Atlântida!

Confira abaixo ou clique aqui.

 

SIGA-NOS nas redes sociais:

FACEBOOK: facebook.com/nerdtripoficial
TWITTER: twitter.com/nerdtripoficial
INSTAGRAM: instagram.com/nerdtrip_
VISITE NOSSO SITE: www.nerdtrip.com.br


Leia outras notícias do Nerdtrip e confira também:

GODLY CORP | Conheça o incomum simulador onde você é um estagiário onipotente

SAINTIA SHŌ | Spin-off de Cavaleiros do Zodíaco protagonizado por guerreiras faz sua estréia, saiba mais sobre a adaptação!

METAL GEAR SOLID: THE BOARD GAME | Konami anuncia jogo de tabuleiro baseado na franquia de Solid Snake

DRAGON BALL SUPER: BROLY | Revelada a data de estreia do filme anime no Brasil!

HALLOWEEN | Terror sem frescuras, clássico e que traz Michael Myers à ativa!

BRASIL GAME AWARDS 2018 | Confira os vencedores da tradicional premiação brasileira

RESSACA FRIENDS 2018 | Evento abraça todas as representações da cultura pop oriental!

TEEKNEWS #80 | O Podcast mais divertido da Galáxia

SAINT SEIYA | Netflix divulga trailer de novo anime dos Cavaleiros do Zodíaco e cria polêmica entre os fãs

INFILTRADO NA KLAN | “Racismo acima de tudo” Alvos utilizados na produção foram comprados pela internet

NANATSU NO TAIZAI: PRISONERS OF THE SKY | Revelada data de lançamento do DVD e Blu-Ray do filme “Prisioneiros do Céu”

Continue lendo
Advertisement

Receba as novidades do Nerdtrip em seu e-mail!

Insira seu endereço de e-mail para embarcar nessa Viagem Nerd!

Advertisement

Mais lidos da semana


%d blogueiros gostam disto: